O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

sábado, 31 de outubro de 2015

Momentos Decisivos da História do Brasil, ou Momentos Depressivos? -Paulo Roberto de Almeida

O grande intelectual Antônio Paim tem um pequeno livro, que sempre admirei, pela pertinência de suas análises, e pela clareza de ideias (e também pelo fato de eu ter no pipeline um projeto de "história virtual do Brasil"), que se chama:

Momentos Decisivos da História do Brasil

no qual ele faz as cogitações necessárias sobre aquelas etapas em torno das quais a história poderia ter se desenvolvido de uma outra forma, mas, por desatinos da nossa trajetória, o resultado é este que todos conhecemos: um país que se perdeu em sua própria construção e que não perde oportunidades de perder oportunidades, como dizia Roberto Campos.

Pois bem, observando todas as denúncias, todas as falcatruas, todas as roubalheiras e a desfaçatez impressionante dos mafiosos no poder (em vários deles), eu me pergunto se, em lugar de um novo:

Momentos Decisivos da História do Brasil

nós não estamos conhecendo

Momentos Depressivos da História do Brasil
ou
Momentos Deprimentes da História do Brasil

Como é possível a nação aguentar tantos larápios mandando no destino do país?
Daria até para compor umas estrofes à la Castro Alves, do Navio Negreiro...

Paulo Roberto de Almeida
Anápolis, 1/11/2015

Venezuela: a farsa do julgamento de Leopoldo Lopez e o juiz arrependido

Das declarações (confusas, totalmente confusas) deste juiz que participou da farsa do julgamento do líder opositor Leopoldo Lopez se conclui que qualquer que fosse o juiz, quaisquer que fossem as acusações, a intenção claríssimo da ditadura chavista era simplesmente a de fazer o líder do movimento democrático amargar anos de prisão.
Essa farsa nos remete aos piores momentos do stalinismo paranoico dos anos 1930, quando todas as personalidades que poderiam fazer sombra ao tirano Stalin foram objeto de julgamentos pré-fabricados, e condenados à morte.
O que vão fazer a Unasul, a OEA, o Mercosul, o governo brasileiro ante essas revelações?
Nada, repito NADA...
Paulo Roberto de Almeida



“Saí porque não queria defender a farsa contra Leopoldo López”
O procurador venezuelano Franklin Nieves, de 51 anos, é hoje uma das pessoas mais procuradas do planeta. Ele está angustiado com o alvoroço provocado por sua fuga da Venezuela depois de denunciar que o Governo de Nicolás Maduro fraudou provas no julgamento do líder da oposição, Leopoldo López. Há cinco dias, ele está escondido com a esposa e as duas filhas pequenas em Miami, nos Estados Unidos, onde tramita o pedido de asilo político. O papel de Nieves foi decisivo na condenação de López a 13 anos de prisão pelas manifestações de 12 de fevereiro de 2014, que terminaram com 43 mortos. Ele garante que responsáveis pelo Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional lhe disseram que Maduro deu a ordem de agir contra López e, durante a ação, montou a acusação. “Um embuste”, diz Nieves, que na entrevista ao El PaÍs, relata as maracutaias do Governo para acusar López e mostra seu arrependimento.
Pergunta. Quando e por que o senhor decidiu fugir da Venezuela e denunciar a manipulação de provas no julgamento de Leopoldo López?
Resposta. Na Venezuela há perseguição de promotores e juízes e eu estava com medo porque lá funciona a lei do medo. No dia 19 de outubro eu disse à minha esposa que estávamos indo. Alonguei minhas férias, comprei as passagens para Aruba e de lá para os Estados Unidos.
P. O senhor denunciou pressões para acusar López. Em que consistiam?
R. Em obrigar especialistas, funcionários e testemunhas que respondessem às perguntas que lhes fazíamos. Preparávamos as respostas, eles assinavam e pronto.
P. Pessoalmente, sofreu ameaças?
R. Não, não, mas estavam latentes.
P. O senhor levantou objeções às pressões e às provas falsas?
R. Às pressões não, mas denunciei que o procedimento não era correto. As provas falsas estão no processo, mas quando fizemos a acusação, deturpamos a informação. E onde não havia fogo, nós colocávamos que havia existido fogo.
P. Quando ia para casa, o que pensava?
R. Estava em choque. Leopoldo López é inocente, em nenhum momento clamou pela violência. Em vídeos postados no YouTube ou nas redes sociais se comprova que ele disse aos seus seguidores para não caírem em provocações. Nós colocamos na acusação que quando ele saiu das manifestações começaram os ataques contra o edifício do Ministério Público e isso é totalmente falso.

Se me prenderem e me colocarem numa cela, quero que a cela seja grande! Nela têm de entrar Nicolás Maduro e Diosdado Cabello

P. Como se sente sabendo que falsificou provas contra um inocente?
R. [Pausa] Imagine... é por isso que venho aqui dizer a verdade, a violação dos direitos de Leopoldo López. Eu jurei defender a Constituição e as leis. Onde ficou isso, Franklin Nieves? Onde te ensinaram na Universidade a cometer delitos, a violar direitos humanos? Pisei tudo na minha carreira, os estudos de Direito Penal, de Direito Internacional Humanitário... O que fiz? Tanto tempo me preparando para no fim...
P. Qual seria a sua pena?
R. Imagino que prisão perpétua, porque nunca vou esquecer isso.

No dia que libertarem Leopoldo López, eu serei seu melhor amigo

P. Que provas o senhor tem da manipulação do processo?
R. Não subtraí nenhuma prova física, mas tenho alguns casos que podem ser interessantes.
P. O senhor pôde fazer algo para que o processo contra López não avançasse?
R. Não, não. Comigo ou sem mim, a condenação era certa. Se eu renunciasse, moveriam um processo contra mim, uma perseguição... ou me matariam.
P. O Governo lhe prometeu algo para incriminar López?
R. Não, não.
P. Parte dos exilados venezuelanos desconfia do seu arrependimento. O senhor entende isso?
R. Claro, mas eu não acredito que seja tarde para reconsiderar. Poderia ter julgado o recurso que López fez, ter pedido minha aposentadoria e não o fiz. Vim para cá cinco dias antes de ter que julgar o recurso porque não queria defender essa farsa.

Comigo ou sem mim, a condenação era certa

P. O governo venezuelano tentou entrar em contato com o senhor?
R. Não. O que fizeram foi invadir a minha casa e uma da minha esposa. Foram ao meu escritório, revistaram-no sem um mandado, levaram os discos rígidos e amedrontaram minha equipe.
P. Depois de confessar que manipulou provas, o senhor teme alguma ação judicial?
R. Não, não. Estou dizendo a verdade, não estou fugindo da minha responsabilidade penal. Se me prenderem e me colocarem numa cela, quero que a cela seja grande! Nela têm de entrar Nicolás Maduro e Diosdado Cabello [presidente da Assembleia Nacional e número dois do regime].
P. O senhor havia feito alguma acusação irregular antes?
R. Todas as acusações que fiz, todas menos essa, foram corretas. Sempre agi em conformidade com a lei.

Algum dia terei de me ajoelhar e pedir perdão a essas pessoas

P. O pedido de perdão a Leopoldo López e sua família é suficiente?
R. Espero que surta efeito na consciência e nos corações dos venezuelanos, pelo menos no do cidadão Leopoldo López Mendoza. Especialmente nos corações de seus filhos, Manuela e Leopoldito. Algum dia terei de me ajoelhar e pedir perdão a essas pessoas. No dia que libertarem Leopoldo López, eu serei seu melhor amigo.
P. López vai sair logo da prisão?
R. A justiça venezuelana tem agora a responsabilidade de anular o julgamento. As garantias constitucionais e o direito de defesa foram violados... Mas o que vigora na Venezuela é uma sociedade de cúmplices, protegem-se uns aos outros porque muitas pessoas conhecem os segredos de outras.
  

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Prata da Casa: duas miseras mini-resenhas publicadas - Revista da ADB

A despeito de eu ter feito doze, sim DOZE, mini resenhas nos últimos seis meses, para os dois últimos trimestres de 2015, para a revista da ADB, por problemas editoriais, apenas duas foram publicadas no número do terceiro trimestre, que recebi há dois dias, as que figuram abaixo.
Ou seja, "sobram" dez, o que permite respirar um pouco até minha instalação em Brasília, prevista para a próxima semana, ainda que provisoriamente até a chegada da minha mudança.
Segue o registro:


1201. “Prata da Casa, Boletim ADB – 3ro. trimestre 2015” [Notas sobre os seguintes livros: 1) Renato Baumann et alii: BRICS: estudos e documentos (Brasília: Funag, 2015, 350 p.; ISBN: 978-85-7631-546-19; Coleção relações internacionais); 2) Nilo Dytz Filho: Crise e reforma da Unesco: reflexões sobre a promoção do poder brando do Brasil no plano multilateral (Brasília: Funag, 2014, 334 p.; ISBN: 978-85-7631-511-7; Coleção CAE)], Revista da ADB (Brasília: Associação dos Diplomatas Brasileiros, ano 22, n. 90, julho-agosto-setembro 2015, p. 50; ISSN: 0104-8503). Postado no blog Diplomatizzando (xx/10/2015, link: ). Relação de Originais n. 2864.



Renato Baumann et alii:
BRICS: estudos e documentos
(Brasília: Funag, 2015, 350 p.; ISBN: 978-85-7631-546-19; Coleção relações internacionais)

Dois diplomatas participam desta obra coletiva: Flávio Damico, de um ponto de vista histórico, analisa em primeiro lugar as razões históricas, econômicas e políticas que marcaram a passagem de uma simples sigla para uma realidade político-diplomática dotada de certo peso na comunidade internacional (embora muito disso se deve à China, quase exclusivamente). Carlos Márcio Cozendey, negociador internacional na área econômica, trata dos dois instrumentos aprovados na cúpula de Fortaleza, o Novo Banco de Desenvolvimento e o Acordo Contingente de Reservas. O título desse capítulo é, aliás, significativo: “Visão ou Miragem?” Cada país deve ter a sua visão sobre esses processos, mas a forte ênfase estatal em cada uma de suas iniciativas pode transformar tudo isso em miragem (o autor acha que não), se não forem simples utopias. A ver...


Nilo Dytz Filho:
Crise e reforma da Unesco: reflexões sobre a promoção do poder brando do Brasil no plano multilateral
(Brasília: Funag, 2014, 334 p.; ISBN: 978-85-7631-511-7; Coleção CAE)

Houve um tempo em que a Unesco gastava a maior parte do seu orçamento na própria sede, ou pelo menos em Paris e arredores, uma das razões, junto com seu terceiro-mundismo rastaquera e a visão contrária ao chamado Ocidente, pelas quais os EUA se afastaram do órgão. Isso passou, mas a organização continua precisando de reformas, a serem feitas por uma auditoria externa, independente. Em 2011, os EUA, novamente, cortaram a sua dotação, por causa da admissão da Palestina. O Brasil tem poder, brando ou outro qualquer, para influenciar em processos ulteriores de reforma? A Unesco está à venda, como pergunta o próprio autor? Brando ou não, esse poder só se materializa com mais dinheiro. O Brasil está disposto a colocar mais dinheiro em Paris, ainda que seja para países em desenvolvimento? O mais provável é que a Unesco continue em crise.


O Brasil e o TPP: uma tragedia anunciada (desde 2003) - Milton Lourenco

Não foi por falta de aviso, e não apenas deste escriba, que desde o primeiro dia do reinado dos companheiros vem denunciando uma política comercial canhestra, ideológica, feita de arroubos patrioteiros tão ingênuos quanto estúpidos.
Começou com a implosão ideológica da Alca -- que não era nenhuma maravilha, mas pelo menos teria assegurado e consolidado nosso acesso aos mercados atrativos da América do Norte, ainda que com persistência do protecionismo agrícola e setorialmente na indústria -- e continuou pela proclamação de uma fantástica "nova geografia do comércio internacional", tanto pelo presidente quanto por seu devoto chanceler. Era tão fantástica que já estava em curso desde muitos anos, pelos países asiáticos, que exportavam sem discriminação para todos os mercados existentes, especialmente os da Europa e dos EUA. Mas os companheiros desprezavam de modo totalmente estúpido, e aqui insisto no adjetivo estúpido, esses mercados, pois como dizia o "capo di tutti i capi" não se podia ficar "dependente do comércio com os Estados Unidos". Sairam então com a tal de "diplomacia Sul-Sul" -- outra estupidez sem tamanho -- para conquistar os mercados do tal Sul: ou seja, América Latina, África, países árabes e africanos, e supostamente da China e outros asiáticos. Deu no que deu: três magros acordos comerciais que são absolutamente ridículos.
A política comercial companheira, volto a dizer, foi ingênua, estúpida, ideológica.
Agora que saiu o TPP, os empresários, sempre tímidos e envergonhados em denunciar as estupidezes companheiras, começam timidamente a protestar, como este "despachante aduaneiro".
Ele responsabiliza o Itamaraty pela tragédia anunciada, o que só em parte é verdadeiro. Certo: foram diplomatas que estiveram à frente do ministério durante todo o reinado companheiro, mas as políticas eram determinadas pelo PT, às quais os diplomatas cederam, talvez passivamente demais.
Dá para reparar o prejuízo?
Vai ser difícil...
Paulo Roberto de Almeida

O Brasil e o TPP

Portogente, Opinião, 
Segunda, 26 Outubro 2015 00:01
 
Presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC)

Se não bastasse o imobilismo que caracterizou a diplomacia brasileira em relação ao comércio exterior nos últimos 13 anos, várias nações com as quais o Brasil tradicionalmente mantém intercâmbio movimentaram-se e acabam de formalizar o Tratado Transpacífico de Comércio Livre (TPP). Depois de quase cinco anos de negociação, Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Cingapura, Estados Unidos e Vietnã concluíram um acordo que suprime taxas alfandegárias em suas transações e define padrões técnicos unificados.
E o Brasil? Cálculos preliminares indicam que as exportações brasileiras para esses países – a hoje, ao redor de US$ 54 bilhões – deverão cair pelo menos 3%, especialmente nas áreas de minérios, commodities agrícolas e produtos industrializados. Só em manufaturados foram US$ 31 bilhões exportados – o equivalente a 35% do total de vendas externas do País – e US$ 47 bilhões importados.
Se sair o acordo entre Estados Unidos e União Europeia, a chamada Parceria Transatlântica, conhecida pela sigla TTIP, a perspectiva é de que a situação se agrave ainda mais, provocando maior isolamento comercial do Brasil, pois os europeus já não terão tanto interesse em assinar um acordo com o Mercosul e, provavelmente, aumentarão suas exigências. Com a TTIP, segundo cálculos da Fundação Getúlio Vargas, a queda nas exportações brasileiras chegaria a 5%.
O resultado de tantos desastres na política externa só pode ser debitado à (des)orientação do Ministério das Relações Exteriores a partir de 2003, quando os teóricos do Partido dos Trabalhadores (PT), sábios aos seus próprios olhos, imaginaram que poderiam sobrepor a influência dos Estados Unidos no continente com uma política pretensamente denominada Sul-Sul.
Ou seja, em vez de privilegiar o maior mercado do mundo, entendeu-se que seria possível fazer um bloco só com os países em desenvolvimento, favorecendo-se Cuba, Venezuela, Argentina, Bolívia, Equador e ainda países africanos não necessariamente governados por regimes de esquerda, como prova o trabalho desenvolvido pela diplomacia brasileira para que a Guiné Equatorial, nação onde pouco se fala Português, aderisse em 2014 à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), sem levar em conta que aquele país é governado há três décadas pelo mesmo governante e apresenta um dos piores registros de direitos humanos no mundo, segundo pesquisa anual da organização de direitos civis Freedom House, de Washington.
Diante de tão rotundo fracasso diplomático, o que se espera é que o atual governo entenda que o TPP representa uma mudança completa no tabuleiro das negociações comerciais, pois indica que o futuro será regido por mega-acordos comerciais. E que continuar na defesa do imobilismo e ficar de fora desses grandes acordos equivale a levar a Nação a um suicídio político.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

China Radio Internacional entrevista um PRA: nao sou eu

O Google citations me remete a um texto onde vem citado um homônimo. Espero que seja realmente, pois não se trata desta pessoinha que aqui escreve. A CRI nunca me entrevistou para nada. Se não existir esse outro PRA, está configurada a fraude jornalistica.
Em primeiro lugar, não sou e não posso ser confundido com a "comunidade internacional". E nunca trabalhei para um tal de "Centro Brasileiro de Pesquisas das Políticas dos Brics".
Em segundo lugar, nunca apoiei qualquer dirigente chinês. Nunca o faria, nem com os meus...
Essa é a ética de trabalho dos jornalistas chineses?
Paulo Roberto de Almeida 

Comunidade internacional elogia resultados da visita de Xi Jinping ao Reino Unido
  Radio China Internacional, 26/10/201
O presidente chinês, Xi Jinping, visitou entre os dias 19 e 23 deste mês o Reino Unido. A comunidade internacional acredita que a visita obteve grandes sucessos. 
O diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas da China, Ronnie Lins, disse que as cooperações sino-britânicas têm uma boa perspectiva e as relações entre os dois países já ultrapassaram o sentido bilateral e têm um significado estratégico global. Ele acredita que a visita de Xi Jinping vai consolidar a base das relações sino-europeias e causar influências positivas para todo o mundo.
O professor da Universidade Shizuoka do Japão, Sen Masataka, afirmou que a China e o Reino Unido são grandes blocos econômicos, e suas cooperações vão impulsionar o equilíbrio da economia global e a paz e a estabilidade mundial. 
O pesquisador do Centro Brasileiro de Pesquisas das Políticas dos Brics, Paulo Roberto de Almeida, apontou que o presidente chinês, Xi Jinping, manifestou em várias ocasiões o desejo de desenvolvimento pacífico e a construção da comunidade de destino comum do ser humano, o que cria um bom ambiente para o desenvolvimento da China e mostrou ao mundo que a China não ambiciona conquistar hegemonia. 
O presidente do Instituto Brasileiro de Estudos de China e Ásia-Pacífico (IBCAP), Severino Cabral, disse que o povo chinês achou um caminho certo com sua determinação e ações, por isso, tem uma vontade mais forte pelo desenvolvimento pacífico. 
Tradução: Luís Zhao 
Revisão: Layanna Azevedo
 Imprimir Comentar

Politica externa do PT = a do PSDB ??!! (dixit Matias Spektor) - Totalmente equivocado (PRA)

Considero esse artigo totalmente equivocado, no fundo e na forma, em gênero, número e grau, como se diz.
Não vou poder elaborar agora, mas as respostas, até preventivas, aos argumentos equivocados de Matias Spektor já foram dadas em meu livro "Nunca Antes na Diplomacia..."
Remeto a ele para uma elaboração mais sofisticada.
No momento me contento com dois equívocos principais:
1) Não concordo em que FHC e Lula tivessem tido prioridades idênticas, como se o Brasil, ou seu governo, “escolhesse” suas prioridades ao seu bel prazer: estas, na forma, estão postas por um processo diplomático que se prolonga no tempo, cujos temas já existem e foram legados por governos anteriores. Em política externa, nenhum país, nem mesmo as grandes potências, consegue determinar sozinho sua agenda diplomática; ela é dada pelo sistema internacional, ou faz parte de relações de vizinhança e de conexões econômicas que se impõem por si mesmas, e que devem ser tratadas de uma forma ou de outra. Por exemplo, fortalecer o Mercosul e tentar construir uma zona de livre comércio na América do Sul já eram prioridade anteriormente, assim que não vale a pena dizer que um governo ou o seu sucessor tinham essa “prioridade”; elas já vinham inclusive do final dos anos 1980. Mas cabe dizer, sim, que os petistas insistiam na região apenas e exclusivamente por oposição aos EUA, não por uma dedução racional em termos de ganhos na área econômica.
2)  No que tante à globalização, a visão do PT, no caso também a de Spektor, me parece errada, ao pertenderem eles que FHC se "rendeu à globalização", e que Lula tenha praticado  uma “política de resistência”. Ora bolas, a globalização não é algo que se possa aceitar ou rejeitar. Ela existe, ponto, como existem o vento e as marés. Países e estadistas inteligentes colocam a globalização a serviço do país, não remando contra ela, o que além de inútil seria totalmente contraproducente e contrário ao interesse nacional. Só avestruzes diplomáticos escolhem se colocar à margem da globalização, como fizeram os governos lulopetistas, ao praticar protecionismo exacerbado – hoje se revelando inclusive um projeto de lobby pessoal, não de política industrial – e ao isolar o Brasil das correntes mais integradas de comércio internacional.

Em resumo: as duas diplomacias não beberam de um poço comum, como afirma Spektor. Elas foram totalmente diferentes, na forma e no conteúdo, e produziram resultados diametralmente opostos: os governos lulopetistas passaram tristemente a apoiar governos autoritários na região e fora dela, além de terem isolado o Brasil das correntes dinâmicas da globalização.  
Paulo Roberto de Almeida
Hartford, 27/10/2015

A política externa de tucanos e petistas
MATIAS SPEKTOR
Folha de S.Paulo, Ilustríssima, 25/10/2015

RESUMO O articulista entra no debate sobre semelhanças e diferenças de governos tucanos e petistas para abordar a questão externa. PSDB e PT divergem sobre o conceito de globalização e sobre o papel da política externa brasileira nesse contexto. No entanto, ambos convergem em muitos aspectos, nem sempre os mais elogiáveis.

A crise que golpeia o PT inaugurou uma nova temporada de reflexão sobre o futuro do PSDB.

Nestas páginas, Sergio Fausto (2/8) convocou o tucanato a ocupar o vácuo que se abre à esquerda. Celso Barros (13/9) descartou a manobra como irrealista para uma agremiação de direita. Carlos Pereira e Samuel Pessôa(11/10) criticaram a distinção entre esquerda e direita como melhor forma de caracterizar a disputa entre PT e PSDB, pois os dois partidos apostaram juntos no projeto de estabilidade econômica com inclusão social que é marca registrada da Nova República.

Este artigo direciona o debate para o tema da política externa. Na área internacional, PT e PSDB enfrentaram o desafio comum de adaptar o Brasil do atraso e da desigualdade à era da globalização. Usaram para isso estilos distintos, mas atuaram com mais semelhanças do que parece à primeira vista.

A política externa virou um dos principais campos de batalha entre PT e PSDB. Poucas políticas públicas são tão polarizadas e controversas. Os petistas enxergam no governo Lula a diplomacia mais arrojada. Com sua política externa ativista, ele teria elevado a posição do Brasil à de grande potência emergente. Segundo essa visão, FHC representaria o exato oposto: a capitulação de uma elite entreguista à hegemonia dos Estados Unidos. A cena que esse grupo gosta de reprisar é a do último chanceler tucano, Celso Lafer, tirando os sapatos para uma revista de segurança em aeroportos norte-americanos.

Do outro lado do ringue, encontram-se os tucanos, para os quais o presidente-sociólogo teria normalizado as relações com o mundo, tirando o Brasil do isolamento acumulado nos anos de ditadura militar e de atraso econômico. Para eles, a diplomacia petista seria uma função da vaidade prepotente de Lula e sua equipe. Em ninho tucano, a cena em reprise é a de Lula em Teerã, punho no ar, desafiando as grandes potências num abraço com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.

Essas distinções são atrativas por sua simplicidade maniqueísta: há mocinhos e há bandidos. Sem espaço para a ambiguidade, porém, elas são equivocadas.

Em se tratando da posição do Brasil no mundo, qual é a diferença entre PT e PSDB?

GLOBALIZAÇÃO
A clivagem fundamental que divide tucanos e petistas a respeito do sistema internacional é simples: ao passo que os primeiros concebem a política externa como instrumento de adaptação à globalização, os segundos imaginam a diplomacia como instrumento de resistência.

Isso ocorre porque os dois partidos têm diagnósticos opostos sobre o significado da globalização –o fluxo de capital, ideias e pessoas numa economia internacional integrada.

Para os tucanos, a globalização é uma força inexorável. "Queiramos ou não", disse FHC ao chegar ao Planalto, em 1995, "a globalização é uma nova ordem internacional. O mundo pode ser dividido entre as regiões ou países que participam do processo de globalização e usufruem seus frutos e aqueles que não participam". Ou o Brasil se adapta a esse novo mundo, ou se autocondena ao atraso.

Quando chegou ao poder, FHC entendeu que o Brasil era fraco demais para resistir ao que chamava de "ventos do mundo". O sistema internacional não lhe oferecia espaço de manobra.

Para os petistas, entretanto, a globalização não é um fato inescapável da realidade, mas um projeto político talhado pelas grandes potências do Atlântico Norte. Assim, a globalização pode (e deve) ser resistida e negociada. Ninguém pode fazer isso melhor que grandes países em desenvolvimento, que têm capacidade de arrancar concessões dos mais poderosos em troca de sua adesão.

Lula pôde agir assim porque chegou ao Planalto com um país estabilizado e em franca ascensão. O sistema internacional do PT a partir de 2003 abria ao Brasil brechas antes inimagináveis: do desastre da intervenção americana no Iraque à ascensão da China, no mundo daquela época havia jogo novo para o país.

Essas diferenças levaram o Planalto de tucanos e petistas a elaborar receitas alternativas.

Para os tucanos, se o Brasil quiser participar da globalização precisará de "credenciais de boa conduta internacional". Foi isso que a diplomacia de FHC buscou em áreas como direitos humanos, não proliferação nuclear, meio ambiente e comércio internacional, assinando compromissos externos que o regime militar antes rejeitara de forma sumária.

O objetivo não era mudar o mundo, mas utilizar normas internacionais como alavanca para reformar um país ainda marcado pelo penoso entulho autoritário acumulado desde a era Vargas e pela história de hiperinflação.

Na concepção petista, o Brasil deveria explorar as rachaduras do projeto político da globalização, que eram evidentes nos protestos de Seattle (1999) e foram escancaradas quando o governo americano invadiu o Iraque sem autorização das Nações Unidas (2003). Para o núcleo pensante do PT, existia uma demanda mundial por vozes alternativas, como sugere o lema: "Outro mundo é possível".

Assim, FHC rodou o planeta para amarrar o Brasil a novas regras internacionais que permitissem ao país embarcar num novo ciclo de desenvolvimento capitalista. Lula manteve essa política, mas adicionou a ela uma ambição reformista.

O ativismo internacional do PT começou com visitas de altíssimo perfil a Cuba, Irã, Líbia e Síria, além de numerosos périplos pela África e pela América Latina. Em seguida, Lula foi central na criação dos Brics, do Ibsa (acrônimo em inglês para o grupo formado por Índia, Brasil e África do Sul) e na formação do G20.

O PT optou por um estilo negociador maximalista na Rodada Doha, nos embates pela Alca e na tentativa de reformar o Conselho de Segurança da ONU. Patrocinou no Haiti a maior mobilização de tropas brasileiras desde a Segunda Guerra Mundial e criou iniciativas inéditas para o Oriente Médio.

As diferenças entre PT e PSDB são, portanto, reais. Mas é crucial não exagerá-las.

NORMAS
FHC aderiu às normas do Ocidente liberal de maneira lenta, parcial e, na maioria das vezes, negociada. Não houve no Brasil do PSDB uma fuga em direção ao neoliberalismo como na Argentina de Menem, a Venezuela de Pérez ou o México de Salinas.

O governo tucano empurrou a Alca com a barriga e patrocinou a expansão do Mercosul. Na OMC, FHC patrocinou a política revisionista de quebrar patentes, transformando o papel das grandes farmacêuticas no mundo. A estratégia de aproximar o Brasil de Chávez foi criada pelo PSDB, assim como o foi a decisão de proteger o regime autoritário de Alberto Fujimori no Peru.

O discurso brasileiro mais incendiário que um presidente brasileiro já fez em relação à hegemonia americana não foi de Lula, mas de FHC. "A globalização reduz a liberdade dos países", disse o tucano. E alertou: "Esse capitalismo especulativo pode danificar o próprio centro do sistema".

Já Lula adotou uma política externa revisionista, mas na maioria das vezes avançou com cautela.

Em vez de denunciar a dívida brasileira com o FMI como ilegítima, pagou-a. Em vez de chocar-se com os desmandos do governo Bush, aproximou-se da Casa Branca como nenhum outro presidente brasileiro. Quando Brasília propôs um Conselho de Defesa para a Unasul, o ministro da Defesa do governo do PT não começou seu périplo de consultas pelas capitais sul-americanas, mas por Washington. E, nas apostas mais arriscadas da diplomacia petista –a rodada Doha e a Declaração de Teerã–, Lula tentou uma conciliação com os americanos até o último minuto.

Em política externa, ao longo desses 20 anos, tucanos e petistas tiveram muito em comum.

Ambos apostaram na construção de coalizões regionais, concebendo o Mercosul como instrumento para resistir à integração hemisférica proposta pelos Estados Unidos. Ambos imaginaram a integração regional como oportunidade de negócios para a indústria de Defesa e para construtoras brasileiras abastecidas a crédito barato do BNDES. Juntos, PT e PSDB rejeitaram as demandas dos países vizinhos por instituições regionais densas, preferindo compromissos minimalistas que permitissem ao Brasil reagir de modo unilateral quando fosse útil ou necessário.

Petistas e tucanos também reduziram ao máximo o conflito com os Estados Unidos, buscando apoio da Casa Branca ao mesmo tempo que evitavam fazer o jogo de Washington na América do Sul. Ambos os partidos, quando no poder, se recusaram a pressionar o chavismo na Venezuela.

Petistas e tucanos também evitaram abrir o comércio brasileiro na marra. Mantiveram as negociações comerciais em fogo brando, sem ameaçar os interesses protecionistas de uma parte influente da indústria nacional, mesmo quando isso privilegiasse poucos em detrimento da maioria.

Em temas como narcotráfico e mudança do clima, PT e PSDB optaram por compromissos internacionais minimalistas. Não usaram a política externa para forçar a reforma das polícias militares, para barrar o crescimento do narcotráfico, para disciplinar o agronegócio desmatador ou para chacoalhar um Estado que ainda pratica crimes sistemáticos contra os direitos de sua própria população. Contra esses interesses enquistados, não houve mobilização diplomática significativa.

POÇO
PT e PSDB operaram em política externa para adaptar o Brasil a um mundo muito mais interdependente. No processo, produziram respostas diferentes, mas beberam de um poço comum. Em nenhum momento compraram uma briga para valer contra os interesses que mantêm bolsões de atraso em nossa sociedade.

O que aprendemos nesses 20 anos de diplomacia de PT e PSDB é que os conceitos de esquerda e direita –ao menos em política externa– não são necessariamente valores em oposição. Em nossa experiência histórica, a direita adaptou o Brasil à globalização, enquanto a esquerda buscou condicionar o processo num momento em que o Brasil parecia forte o suficiente para fazê-lo. Para além das diferenças brutais de estilo, a mudança ocorreu na margem.

O resultado desse experimento foi parcial. Quando se trata de política externa, a luta do progresso contra o atraso ainda está longe de ser ganha.

MATIAS SPEKTOR, 38, é doutor pela Universidade de Oxford e ensina relações internacionais na FGV.

Política industrial pessoal (se vcs me entendem...)

Da série: "Como eu sou ingênuo..."

E eu que pensava que as péssimas medidas adotadas pelo ex-ministro Guido Mantega em favor das indústrias automobilísticas eram pura política industrial, equivocada, no todo e em suas diversas partes, mas ainda assim política industrial, ou seja, com sentido econômico nacional:

"A PF constatou que as relações entre o lobista Mauro Marcondes e Gilberto Carvalho são "deveras estreitas" e documentos obtidos pela investigação "fortalecem a hipótese de compra da medida provisória para beneficiamento do setor automotivo utilizando-se do ministro"." (de O Antagonista)

Que ingenuidade a minha: não era política industrial, mas totalmente pessoal, feitas para beneficiar a família do capo, e possivelmente o próprio, que sempre se esconde atrás de amigos e familiares...

Como eu sou ingênuo: acreditando que medidas tomadas na PR pudessem ter qualquer sentido de política nacional...

Paulo Roberto de Almeida 
Hartford, 27/10/2015

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Pre-sal: comentários de Roberto Ellery sobre o preço do petroleo

O Blog do Roberto Ellery, em 17/10/2014, antecipou-se ao meu comentário sobre o provável não retorno do pré-sal, como resultado das políticas equivocadas do lulopetismo, o que eu chamo de crimes econômicos.
Paulo Roberto de Almeida 


Comentários a Respeito do Preço do Petróleo e do Pré-Sal

Blog do Roberto Ellery, sexta-feira, 17 de outubro de 2014
A queda no preço do petróleo coloca algumas questões importantes para economia brasileira, afinal nossa maior empresa é uma petroleira. Por absurdo que pareça alguns viram a queda do preço do petróleo como algo positivo para Petrobras, o absurdo tem uma justificativa. Por conta da política econômica heterodoxa do governo a Petrobras perde dinheiro quando vende gasolina no Brasil, o combate à inflação via controle de preços forçou a empresa a vender com prejuízo. A queda no preço do petróleo e da gasolina no mercado internacional resolveu esta distorção, hoje a Petrobras não está mais tendo prejuízo quando vende.

Há motivo para comemorar? Eu não comemoraria tão rápido. Se a queda do preço for temporária de forma a permitir que a Petrobras reequilibre suas finanças sem correr o risco que a política econômica volte a obrigar que a empresa tenha prejuízos então a notícia pode ser boa. Pequenos ajustes nos preços de gasolina poderão tirar à Petrobras do sufoco sem assustar o governo de plantão. Por outro lado, se a queda for persistente, a Petrobras pode ter enormes prejuízos, só não digo que pode falir porque o governo não vai deixar, em breve eu explico a razão, falemos agora a respeito das perspectivas para o preço petróleo.

A figura abaixo mostra o preço do barril de petróleo desde 1970 (acima) e nos últimos doze meses (abaixo). Os preços estão em dólares e foram ajustados pela inflação americana (link para os dados aqui). Repare que apesar da queda significativa dos últimos meses o preço ainda está acima do que estava em 2006 e bem acima do que estava em 2001 no começo do boom das commodities. Na imprensa internacional fala-se que a queda nos preços pode ser persistente e que o barril de petróleo pode chegar a US$ 60,00 ou mesmo US$ 40,00 (ver aqui e aqui).




A demanda está comprometida pelo fim do ciclo de expansão pós-crise na Europa (alô atenção, fim do ciclo quer dizer que estava crescendo e vai parar de crescer logo não tem relação com o baixo crescimento brasileiro), pela volta do uso de energia nuclear no Japão, pela redução do consumo em vários países por conta de tecnologia e outros fatores (quanto mais quente menos aquecimento e menos consumo de petróleo) e pela oferta de bens substitutos como o gás xisto (shale gas) dos EUA. A crise do Oriente Médio não levou à redução na oferta como em outras oportunidades, pelo contrário, sofrendo ameaças internas e de organizações como o Estado Islâmico os governantes do Oriente Médio não estão dispostos a cotar a produção. Grandes produtores fora do Oriente Médio como a Venezuela também estão desesperados por recursos e não estão dispostos a cortar produção. Acrescente novas fontes de petróleo como o pré-sal brasileiro e o cenário para uma queda mais longa e mais persistente do preço de petróleo está armado. Eu falei pré-sal? Falei, aí está o problema.

O petróleo do pré-sal é um petróleo caro, muito caro. Buscar petróleo no fundo do mar envolve estruturas, pessoal especializado, tecnologia e riscos que não incidem na produção em terra. Estima-se que com o barril abaixo de US$ 85 buscar petróleo em águas profundas no Golfo de México deixa de ser lucrativo (link aqui). Há mas eu li em algum lugar que com o preço do barril acima de R$ 60 o pré-sal é viável, alguém pode dizer. A refinaria de Abreu Lima foi projetada para custar US$ 2,5 bilhões, quando a obra começou em 2009 a Petrobras já esperava investir US$ 13,4 bilhões, até o momento já investiu mais de U$ 18 bilhões (link aqui) e a refinaria ainda não está completa. Se erram tanto em algo relativamente simples como uma refinaria o que esperar de algo complexo e arriscado como o pré-sal? Pelo que já li e conversei por aí com o barril abaixo de US$ 100 o pré-sal não é viável, o número parece ser consistente com os US$ 85 para viabilizar o Golfo do México que é mais simples que nosso pré-sal. Se adicionarmos a margem de erro tradicional das empreitadas públicas brasileiras (vide Copa) é capaz do valor limite ficar acima de US$ 150. Chutei para cima, reconheço, mas não estamos nem perto disso, o barril está abaixo de US$ 85 e sem perspectivas de chegar a US$ 100 em um futuro próximo.

Perceberam? Nos últimos anos a Petrobras investiu pesado em tecnologia, qualificação de pessoal e equipamentos para investir em uma área que pode ficar economicamente inviável pelos próximos anos, a depender do progresso tecnológico e de outras fontes de energia podem ser muitos anos. Para uma empresa com dificuldades de financiar investimento como a Petrobras é hoje um investimento alto e sem retorno a médio prazo pode ser fatal. Pior, não apenas a Petrobras apostou alto no pré-sal, o Brasil também apostou. Marina tentou colocar a questão para debate, mas a máquina do governo não permitiu e a acusou de ser contra o pré-sal. Como sabem os que me acompanham eu não votei em Marina, mas acredito que ela estava certa ao questionar o pré-sal. Como brasileiro torço para que ocorra uma reversão no preço do petróleo e o pré-sal e não fique como um gigantesco elefante branco submarino, como economista que trabalha com macroeconomia e crescimento mas vez por outra gosta de olhar para questões setoriais, particularmente na questão energética, temo que tenhamos posto muito dinheiro em uma aposta por demais arriscada.




Research Gate: continuo na frente de meus colegas em acessos

Acessos significa produção e produção produz acessos.
Acho que vou pedir um adicional de produtividade ao UniCeub...

4.96 TOTAL IMPACT POINTS

0.03 AVERAGE IMPACT PER PUBLICATION

57 CITATIONS

Your publications reached 3,000 reads

Paulo Roberto de Almeida 

Your research is in the spotlight
 
 
With 104 new reads, you were the most read author from Centro de Ensino Unificado de Brasília last week
 
Go to your stats
 
Congratulations, Paulo. Your achievement is shown on the home feeds of your colleagues and co-authors. Go to your home feed now to see your peers' recent achievements.

Pre-sal ainda vale alguma coisa? Acho que seria melhor esquecer...

Este jornalista da Forbes escreve com base em declarações da própria Petrobras, de vários anos atrás, relativamente ao preço de extração do petróleo do pré-sal como sendo a 45 dólares o barril.
Isso deixou de ser verdade há muito tempo. Se consultarmos especialistas da International Energy Agency, com sede em Paris (na OCDE), eles provavelmente colocariam esse custo entre 60 e 80 dólares, na melhor das hipóteses (depende do custo de fabricação ou aluguel de plataformas e de todas as demais despesas operacionais, e o que está custando em outros campos promissores). Não esquecer de que se trata de ir buscar esse petróleo a 7 mil metros de profundidade, com todos os riscos envolvidos nesse tipo de operação, quando existem campos mais fáceis de se trabalhar, na Ásia central, no mar Cáspio, Golfo do México, xisto, etc...
Em minha opinião (mas eu não sou especialista), o petróleo do pré-sal NÃO VALE MAIS NADA, mas o governo e a Petrobras não querem dizer...
Paulo Roberto de Almeida 

L19Petrobras Has Another Problem To Deal With: Oil
Kenneth Rapoza 
Forbes, October, 26, 2015

Petrobras hasn't traded with oil prices for years, primarily because of the Brazilian government. In better times, it was because the government wasn't allowing the oil giant to raise gasoline prices. In the worst of times, as in today, it is because of the bribery scandal known as "Car Wash".
Politics aside, Petrobras has another problem: oil prices.
The price of oil is approaching levels where deep water drilling off the Brazilian Atlantic Coast is no longer financially viable.  The bulk of Petrobras' oil wealth lies deep beneath the ocean bedrock, called the pre-salt level. It's naturally a costly endeavor to pull that crude out of the ground.
Seeing how Brazil is a relatively inexpensive labor market, it actually needs oil to be at around $45 a barrel for pre-salt to make sense. Today, oil futures are hovering around $48 a barrel. Petrobras' prize possession is close to becoming a money losing operation. So, should oil fall below $45 for an extended period of time, the stock will take an additional hit. Indeed, this company is like one big Jenga game and no one wants to pull out the next block. Whether it is a law suit or a new discovery from the Car Wash investigation, Petrobras is like a house of cards. Some guys even think that in a nightmare scenario, the government could even delist the thing from the stock exchange.
For now, Petrobras is renegotiating rental agreements on drilling platforms to lower overhead. If successful, then the company can lower the $45 per barrel that it has targeted as the break even price in its budget for the next five years.
The decline in oil has led to declines in cash flow, too. Its most prolific oil field, the Lula field, is returning 26.5% less on a cash basis than it did a year ago.