O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Os piores inimigos dos livros: os intelectuais - Fernando Baez (resenha de Jeronimo Teixeira)

Sempre amigo dos livros, e relutante em desfazer-me de meus milhares de amigos – não tenho a menor ideia de quantos são, pois eles se espalham em meu apartamento e, sobretudo, numa kit-biblioteca, mantida especialmente com essa finalidade –, sou suspeito para falar da eliminação de livros.
Não sei como – ou melhor, sei, foi escrevendo um artigo sobre os "intelectuais" – acabei caindo nesta antiga resenha de um jornalista da Veja, que fala sobre a destruição de bibliotecas inteiras.
De ordinário sou pacífico, mas acho que eu seria capaz de esganar quem dá ordens de eliminar livros...
Leiam.
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 11 de fevereiro de 2019

Recomendação: A História universal da destruição dos livros
Este artigo foi publicado originalmente em Veja On-line no dia 31/05/2006.
Autor: Jerônimo Teixeira

Os livros são objetos frágeis. Suscetíveis a diversas ameaças naturais – traças, inundações, incêndios –, têm de enfrentar ainda as mais destrutivas paixões humanas: o fanatismo religioso e a censura ideológica. História Universal da Destruição dos Livros (tradução de Léo Schlafman; Ediouro; 438 páginas; 49,90 reais), do ensaísta venezuelano Fernando Báez, é um assustador painel histórico da eliminação de bibliotecas. São documentados cinco milênios do que Báez chama de "memoricídio". Nunca houve uma época histórica sem alguma forma de perseguição aos livros (e, por extensão, a seus autores). Mais perturbador é constatar que não são só os brutos e ignorantes que acendem as fogueiras. O típico biblioclasta (destruidor de livros), pelo contrário, é um erudito que conhece em profundidade determinada tradição religiosa ou ideológica – e que por isso mesmo deseja banir qualquer dissidência. Até mesmo Platão teria destruído, segundo testemunhos, a obra de filósofos rivais. 
"Os maiores inimigos dos livros são intelectuais", disse Báez a VEJA.
Especialista na conservação de bibliotecas, Báez trabalha como consultor de órgãos como a Unesco. Sua História Universal é um exaustivo inventário da destruição cultural. O trajeto histórico do livro começa no que hoje é o Iraque. Foi naquela região que apareceram as primeiras evidências da escrita, em tabletas de argila produzidas pelos sumérios, há cerca de 5.000 anos. Sítios arqueológicos da época já revelaram tabletas destruídas e queimadas, como resultado de ações de guerra. A mais célebre biblioteca da Antiguidade, na cidade egípcia de Alexandria, também acabou destruída. Fundada em III a.C., essa biblioteca foi provavelmente o maior acervo de livros do mundo antigo. A causa de seu desaparecimento definitivo ainda é matéria de controvérsia entre historiadores.
O patriarca cristão Teófilo provavelmente foi responsável pela destruição de um anexo da biblioteca de Alexandria, no século IV. A religião sempre foi uma das principais motivações dos biblioclastas. Durante a Contra-Reforma, o rigor da Inquisição foi tal que até Bíblias em língua corrente eram queimadas, pois a Igreja Católica só admitia o livro sagrado em latim. O fanatismo político tem tanto poder destrutivo quanto o religioso. No século XX, não há imagem mais simbólica do obscurantismo biblioclasta do que as fogueiras de livros na Alemanha, em 1933 – um prelúdio sinistro do genocídio que os nazistas promoveriam na Europa. Joseph Goebbels, ministro da Propaganda nazista e mentor ideológico da destruição, estudou filologia na Universidade de Heidelberg. O livro de Báez registra outras ironias do mesmo naipe – como, por exemplo, a censura e a queima de livros promovidas na China comunista por um movimento que se intitulava Revolução Cultural.
História Universal encerra-se com um capítulo sobre a Guerra do Iraque. Báez fez parte de uma comissão de especialistas que visitou o país pouco depois da invasão americana, em 2003, para aferir os danos causados ao patrimônio cultural iraquiano. Seu relato é desolador: museus, bibliotecas, sítios arqueológicos arrasados. Os danos começaram com os bombardeios, mas a devastação maior se deu quando os primeiros combates cessaram. Turbas enfurecidas saquearam e queimaram a Biblioteca Nacional e o Museu Arqueológico de Bagdá. Foi uma reação de revanche: a população identificava as instituições culturais com o regime deposto de Saddam Hussein, que nomeava seus diretores. O Exército americano omitiu-se vergonhosamente de defender um acervo de importância universal – o Iraque concentra peças de numerosas civilizações antigas, como os sumérios, babilônios e assírios. Contrabandeados para fora do país, livros raros e peças arqueológicas alimentaram o mercado negro internacional. Da Biblioteca Nacional sumiram edições antigas das Mil e Uma Noites. Do museu, foram roubadas algumas tabletas de argila sumérias que estariam entre os primeiros livros da história. É outra melancólica ironia: o primeiro grande "memoricídio" do século XXI aconteceu no lugar onde nasceu a palavra escrita.


Nenhum comentário: