O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

domingo, 12 de janeiro de 2020

O nosso dilúvio: o novo Festival de Besteiras que Assola o País - Paulo Roberto de Almeida

O nosso dilúvio: o novo Festival de Besteiras que Assola o País
Paulo Roberto de Almeida


Muito antes do Stanislaw Ponte Preta (o cronista carioca Sergio Porto), que inventou o Febeapá, logo no começo do regime militar, teve um rei francês, Louis XIV, que se comparava ao sol, no período do máximo absolutismo monárquico, e que proclamou duas frases famosas: "L'État c'est moi", e "Après moi le déluge". É sobre esse dilúvio que eu quero falar.
Não tenho certeza de que depois dele veio algum dilúvio, mas muitos anos depois a França foi submergida por uma revolução radical, que, segundo os marxistas, afogou de vez o feudalismo enquanto modo de produção. Passons...
Mas tem também o dilúvio bíblico, aquele que arrasou a Terra, por causa dos pecados dos homens, mas Noé, escolhido por Deus, salvou gregos e goianos em sua arca, assim como um casal de todos os animais (minhoca inclusive; segundo a versão evangélica da história, só não foi possível salvar os dinossauros, porque eles não couberam naquela arca relativamente modesta, longe de ser um Titanic).
Pois bem, eu acho que o Brasil também passou por um dilúvio, mas isso não tem nada a ver com as chuvas bíblicas e precipitações torrenciais que se abatem sobre... os pobres (não sei se pecadores, mas mal instalados nas encostas).
O dilúvio foi primeiramente político, depois institucional, e agora está sendo torrencialmente cultural, arrasando pessoas e bens, destruindo tudo o que está pela frente dessas águas impetuosas do olavo-bolsonarismo e da extrema-direita.
Por enquanto não temos nenhum Noé para nos salvar, e não cabe mesmo apelas para mitos salvacionistas para nos proteger das enchentes de bobagens que se abatem sobre nós. Vamos ter de arregaçar as mangas, pegar nas pás e nas vassouras (nossos títulos eleitorais) e varrer o novo entulho autoritário e reacionário que se abateu sobre o Brasil inteiro. 

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 13/01/2020

Nenhum comentário: