O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

segunda-feira, 19 de abril de 2010

2043) Livro sobre a Politica Externa Brasileira

Política externa é tema de livro a ser lançado nesta segunda-feira em Salvador
Jornal Feira online, 17/4/2010

Autor da palestra a ser realizada durante o lançamento do livro “A Política Externa do Brasil – Presente e Futuro”, Marcos Azambuja é diplomata de carreira.

"A questão nuclear e o terrorismo não estão sendo tratados pelo governo brasileiro com a devida atenção". A advertência é do embaixador Marcos Azambuja. Ele faz palestra nesta segunda- feira (19/04) sobre a atual política externa nacional, às 10 horas., durante o lançamento do livro “A Política Externa do Brasil – Presente e Futuro”. Promovido pela Fundação Liberdade e Cidadania, entidade ligada ao Diretório Nacional do Partido Democratas, o evento será realizado na Unijorge (Centro de Relações Internacionais, Prédio 1, na Avenida Paralela 6.775), com entrada franca.

Resultado de seminário realizado no ano passado, em São Paulo, com a participação, além de Azambuja, dos embaixadores Luiz Felipe Lampreia, Rubens Ricúpero, Sergio Amaral, Sebastião do Rego Barros, Roberto Abdenur e do jornalista Antonio Carlos Pereira, de O Estado de S. Paulo, o livro “A Política Externa do Brasil – Presente e Futuro” reúne as palestras realizadas. Apresenta uma análise profunda sobre a condução da diplomacia brasileira na chamada “Era Lula”.

“A principal conclusão é a de que nos últimos anos houve um desmanche da política externa brasileira, cujo foco foi reduzido a, praticamente, um único objetivo no momento inatingível: conquistar uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU”, diz o presidente da Fundação Liberdade e Cidadania, o deputado federal José Carlos Aleluia.

Para Aleluia, Ao longo de quase oito anos à frente do Itamaraty, o PT escolheu o caminho de apoiar governos com os quais se identifica ideologicamente deixando de lado o profissionalismo e a isenção que sempre marcaram a diplomacia brasileira. “O Barão do Rio Branco dizia que “em toda parte lembro-me da Pátria”. A diplomacia petista subverteu esta máxima, trocando-a por ‘em todo lugar me lembro do partido’”, comenta.

Marcos Azambuja
Autor da palestra a ser realizada durante o lançamento do livro “A Política Externa do Brasil – Presente e Futuro”, Marcos Azambuja é diplomata de carreira. Foi chefe da Delegação do Brasil para Assuntos de Desarmamento e Direitos Humanos, em Genebra, de 1989 a 1990; coordenador da Conferência Rio 92; secretário-geral do Itamaraty de 1990 a 1992; embaixador do Brasil na Argentina de 1992 a 1997 e embaixador do Brasil na França de 1997 a 2003.

Azambuja é especialista nos campos do desarmamento, desenvolvimento sustentável, integração regional, direitos humanos, Antártica e política espacial. Atualmente atua como consultor e membro do Grupo de Análise de Conjuntura Internacional da Universidade de São Paulo.

2 comentários:

Glaucia disse...

Professor,

Chamo a atenção para entrevista recente e, deixando a bile de lado, bastante ponderada do Prof Alencastro ao Valor. Tem um pouco a ver com o post.

Abraços,

Glaucia

http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/luiz-felipe-de-alencastro-e-a-politica-pos-lula.html

Paulo R. de Almeida disse...

Conheço o entrevistado e o respeito como bom historiador, e li a entrevista, onde constatei uma série de banalidades impressionistas que não acrescentaram absolutamente nada a minha avaliação da politica brasileira ou de sua politica externa. Infelizmente, essa entrevista representa um zero, em termos de informação, e menos zero em termos de análise.
Paulo Roberto de Almeida
(Xian, 21.04.2010)