O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

domingo, 1 de dezembro de 2019

O combate às grandes epidemias humanas - Folhinha do Futuro, José Antonio Macedo Soares

Uma luta incansável, com vitórias e alguns retrocessos...
Recupero da Folhinha do Futuro, edição de dezembro, este trecho selecionado como relevante para o futuro de verdade pelo seu autor, o diplomata José Antonio Macedo Soares.
Paulo Roberto de Almeida


Um Olhar Mais Adiante


Varíola - a única doença infecciosa a ser erradicada – Estima-se que 300 milhões de pessoas tiveram varíola no Século XX até a enfermidade passar a ser a primeira doença infecciosa humana completamente erradicada por campanha de vacinação global liderada pela Organização Mundial da Saúde. Um comitê independente de peritos, em 9 de dezembro de 1979, certificou a erradicação global da varíola e tal certificação foi aceita pela OMS no ano seguinte. Em suma, uma vitória médica extraordinária, confirmada pelo fato de nos últimos 40 anos não terem ocorrido casos de varíola.
A próxima meta é erradicar os três tipos de vírus da poliomelite. O poliovirus tipo 2 foi eliminado em 2015 e a OMS, em 24 de outubro de 2019, anunciou a erradicação do vírus pólio 3. Em suma, falta eliminar o virus da polio tipo 1 que provocou, nos últimos anos, surtos da doença em países como o Paquistão, Afeganistão, Nigéria e Filipinas. O esforço para erradicar o pólio está sendo levado a cabo por uma parceria público/privada com a participação da OMS, da UNICEF, o Clube Rotary, o “US Center for Disease Control and Prevention”  e a “Bill & Melinda Gates Foundation”.
O último caso brasileiro de pólio aconteceu em 1989, na Paraíba e, desde 1994, o país mantém o certificado emitido pela OMS de erradicação da doença. O certificado da OMS não é, contudo, garantia de que não haverá retorno das doenças. Por exemplo, em 2016, o Brasil recebeu o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo pela OMS, declarando a região das Américas livre do sarampo. Desde então, mais de dez mil casos de sarampo foram reportados em diversas unidades da federação.
Apesar de apenas uma doença infecciosa humana ter sido erradicada, o “Centro Carter de Força-Tarefa Internacional para Erradicação de Doenças” destaca que mais uma enfermidade está prestes a ser erradicada a Dracunculiase (“Guinea worm disease”) com apenas 30 casos registrados em 2017 em apenas dois países (Chade e Etiópia). O Centro Carter ainda identificou seis outras enfermidades como sendo potencialmente erradicáveis: elefantiase, pólio, sarampo, cachumba, rubéola e tênia (taenia solium ou solitária).
Outra área de pesquisa que se revela promissora é a de nova vacina contra tuberculose (TB), doença que afetou dez milhões de pessoas em 2018 e é responsável por 1,5 milhão de óbitos ao ano. A vacina disponível no momento, a BCG, não é muito eficaz. A Organização Mundial da Saúde espera que até 2035 seja possível reduzir em 90% o número de novos casos anuais de TB e fazer baixar em 95% os óbitos.
Em suma, o exemplo da varíola continua válido, ou seja, é possível, em futuros não muito distantes, erradicar ou controlar diversas doenças que, desde tempos imemoriais, sacrificam o gênero humano.

Folhinha do Futuro
José Antonio Macedo Soares
Edição de dezembro/2019
Divulgada em 30/novembro/2019

Com os votos de Boas Festas.


Nenhum comentário: