O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

domingo, 5 de maio de 2019

Mini-reflexao sobre a crescente rejeição do Brasil nas relações internacionais - Paulo Roberto de Almeida

Uma preocupação pessoal com os espaços diminuídos para contatos, negócios e cooperação internacional em virtude da rejeição que vem experimentando o atual governo no que tange não só nossa imagem, mas igualmente as possibilidades de expandir nossas interações e intercâmbios com parceiros externos:

Depois do “custo Ernesto Araujo”, que significa restrições a negócios e exportações brasileiras derivadas da postura deformada em diversas áreas da política externa — como o Oriente Médio, por exemplo, uma vez que se tomou partido por Israel nos diversos conflitos que assolam a região —, temos de agregar um novo custo, “Ricardo Salles”, dada a postura anti-ambientalista do patético ministro do Meio Ambiente (que obviamente cumpre desígnios superiores), em vista do verdadeiro boicote que entidades científicas, universidades, organizações ambientalistas e mesmo governos podem fazer a negócios e contatos com o Brasil e suas entidades correspondentes, inclusive o próprio governo Bolsonaro. 
Esqueçam acordo UE-Mercosul, esqueçam grandes projetos de cooperação: estamos condenados à rejeição em diversas áreas de real interesse nacional. Esses dois custos “ministeriais” nada mais são do que o reflexo do custo maior que se chama “governo aloprado da Bolsofamiglia” e seus gurus associados.
Ou seja, o país está tendo menores possibilidades no cenário mundial atual com o tipo de governo que temos.
Quase se pode parodiar um famoso filme de ficção científica de Hollywood:
“Honey, I shrink the kids!”.
Traduzindo para o nosso ambiente:
“Queridos, encolhemos o país!”

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 5 de maio de 2019

Nenhum comentário: