O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

1726) Miseria da educacao no Brasil: muito pior do que podemos imaginar...

O relatório Educação para Todos, que acaba de ser divulgado pela Unesco, coloca o Brasil no 88. lugar entre 128 nações, um lugar pouco cômodo para quem se pretende potência regional, quiçá potência mundial, oitrava economia mundial e coisas do gênero.
Estamos até atrás do Paraguai.
O IDE (Indice de Desenvolvimento da Educação) analisa uma série de indicadores; o que prejudica mais o Brasil é o número dos que conseguem terminar o 5. ano do FUndamental.

Ver outros dados no site da Unesco: http://www.unesco.org/education/efa/ed_for_all/
http://www.unesco.org/en/efa-international-coordination/

Para o Relatório: Making Education Work For All, este link:
http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001853/185398e.pdf

4 comentários:

Glaucia disse...

Bem, professor, todos de acordo que esse é o grande gargalo - como gostam de dizer os economistas - do país, e certamente um dos motores principais da nossa desigualdade.

Observo entretanto que os dados vão até 2000, quando o discurso de potência regional ainda não era bem assim.

Paulo R. de Almeida disse...

Glaucia,
De 2000 para cá, a qualidade da educacao no Brasil só fez piorar, sobretudo depois que pedagogas freireanas tomaram conta do MEC, e que companheiros malucos, adeptos de estudos afrobrasileiros e outras mitologias deleterias comecaram a determinar os padroes educacionais.
Acredite: a realidade é muito, mas muito pior do que revelam os numeros.
E nao se engane, tampouco: nao há nenhum risco de melhorar no curto prazo...
Paulo Roberto de Almeida

Glaucia disse...

Assustador. Não formamos nem mesmo um número de jovens suficiente para ensinar a próxima geração...

Paulo R. de Almeida disse...

Bem, isso não vai ocorrer, desde que você confie na lei da oferta e da procura, se é que você acredita nela.
Com a redução da oferta de professores, seu "preço de mercado" vai aumentar, como para arroz e feijão, e assim a oferta vai voltar a subir.
Mas, a qualidade, obviamente, vai continuar muito baixa.
O Brasil vai continuar tendo um nível médio de educação extremamente medíocre.
Não precisa ter estatísticas para chegar a esta conclusão: basta assistir à televisão aberta (o que aliás eu preciso fazer de vez em quando para tomar um choque de realidade e parar de pensar que as coisas estão indo "bem")...