O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

Mostrando postagens com marcador Polônia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Polônia. Mostrar todas as postagens

domingo, 2 de setembro de 2018

Como salvar judeus, por todos os meios possíveis - Jamil Chade (OESP)

 Os passaportes, a rigor, não eram falsos, e sim verdadeiros. O conteúdo é que não correspondia à informação correta dos detentores. Isso se fez por dinheiro? Certamente, mas provavelmente não por motivos sórdidos.
Paulo Roberto de Almeida 

Ajuda latino-americana salvou centenas de judeus do Holocausto
Passaportes falsos de Paraguai, Bolívia e Haiti foram usados para enganar
a repressão nazista e impedir que judeus poloneses fossem enviados ao Gueto de Varsóvia
Jamil Chade, Correspondente / Genebra, 
O Estado de S.Paulo, 02 Setembro 2018 | 06h00

GENEBRA - Centenas de judeus poloneses foram salvos do Gueto de Varsóvia graças a passaportes latino-americanos falsos. As informações constam em documentos encontrados em arquivos da diplomacia da Suíça, que mostram um novo papel para Paraguai, Honduras, Bolívia e El Salvador na 2.ª Guerra.
Em 1942, mais de 340 mil judeus ainda viviam no Gueto de Varsóvia. A ordem de deportação em massa veio no verão. Mas, pelas regras estabelecidas pelos nazistasalemães, judeus com passaportes de países neutros poderiam se salvar. O motivo: uma eventual troca por alemães detidos no exterior. O Brasil, que havia declarado guerra ao Eixo em agosto de 1942, deixara de ser um país neutro. 
Usando essa brecha, um diplomata polonês em Berna iniciou uma operação de falsificação de passaportes para retirar milhares de judeus de Varsóvia. Aleksander Lado e seus assistentes Juliusz Kühl, o cônsul Konstanty Rokicki e outros infiltrados, iniciaram a operação que ficaria conhecida como “Serviços de Passaporte”. 
A ideia surgiu depois do caso de Eli Sturnbuch, um polonês judeu que vivia na Suíça e falsificou um passaporte paraguaio para retirar do Gueto de Varsóvia sua noiva, Guta Eisenzweig.
De acordo com os documentos, a operação começou em outubro de 1941 e envolvia o suíço Rudolf Hugli, que na época era o cônsul honorário do Paraguai em Berna. Em troca de dinheiro pago pela própria embaixada da Polônia, ele garantiria lotes de passaportes falsos do país, que eram enviados ao gueto. 
A partir de 1942, uma lista de pessoas que deveriam ser resgatadas começou a ser feita na Suíça. Ela incluía professores, rabinos, estudantes e ricos empresários capazes de, uma ver terminada a guerra, restabelecer a influência dos judeus na região.

Fuga do Nazismo

Um dos retirados foi Aharon Rokeach, rabino da dinastia Belz Hasidic. Ele escapou dos nazistas graças a um dos passaportes fabricados pela rede clandestina de poloneses. Para que ele pudesse receber o documento, a Santa Sé garantiu a entrega. 
Aos poucos, outros países latino-americanos que tinham declarado neutralidade passaram a ser consultados e uma tabela de preços foi estabelecida. Para um passaporte paraguaio, o interessado deveria pagar 1,2 mil francos suíços, numa época em que o salário diário não chegava a 20 francos suíços. 
A notícia do esquema rapidamente chegou a Varsóvia. Dando propinas aos soldados alemães, judeus conseguiam enviar à Suíça cartas com fotos e dados pessoais. Improvisadas, algumas das fotos estavam distantes de qualquer padrão de documento oficial. Algumas delas eram recortadas de fotos de famílias. Em outras, quem buscava ser salvo estava em posições informais ou mesmo fumando. 
Os documentos, uma vez prontos, eram enviados de novo ao gueto e garantiam a sobrevivência dos judeus. Quem tivesse aquele passaporte estrangeiro era enviado para acampamentos e prisões, não para campos de extermínio. 
Segundo os arquivos, mais de 2,2 mil passaportes paraguaios foram comprados, além de centenas de outros dos demais países latino-americanos. Alguns documentos chegam a mencionar o fato de que o sistema fez circular mais de 4 mil passaportes. Durante dois anos, os funcionários da embaixada da Polônia preencheram à mão os nomes nos passaportes. 

Retaliação de Hitler

Quando o esquema foi descoberto pela polícia suíça, o temor de uma retaliação por parte de Adolf Hitler contra os países latino-americanos deu fim ao sistema. Ou seja, não evitou que milhares de judeus fossem enviados para Auschwitz. 
Os suíços, preocupados em não irritar Hitler, iniciaram investigações no início de 1943. Os alemães também começaram a desconfiar do número exagerado de latino-americanos que apareciam nos campos de Vittel, para onde os judeus estrangeiros eram enviados. 
Berlim consultou os governos latino-americanos, que desconheciam os cidadãos. Na segunda metade de 1943, os suíços desmantelaram o esquema. Em setembro, os diplomatas foram punidos com a retirada de seu status de representantes. 
A seguir, a repressão contra os judeus que receberam passaportes fez com que muitos fossem enviados a Auschwitz. A Polônia diz que 330 pessoas escaparam do gueto graças aos passaportes falsos. Outros 387 que já tinham recebido o documento foram enviados a campos de extermínio. Outros 430 desapareceram após receber os passaportes. 
No início de agosto, o governo polonês anunciou que, depois de meses de negociação, uma parte desses documentos, que estavam numa coleção privada em Israel, será entregue ao Museu Auschwitz-Birkenau, incluindo fotos e exemplares de oito passaportes falsificados. 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Polonia: governo de direita pode estar se distanciando da democracia - Cesar Maia

Cesar Maia, ex-prefeito do Rio, político que já foi de esquerda, virou de centro e atualmente pode ser classificado na "direita" -- se isso existe no Brasil -- faz uma exposição sucinta, sem se pronunciar substantivamente quanto ao mérito, sobre o que está acontecendo atualmente na Polônia, que se encontra, digamos assim, sob vigilância da União Europeia, por práticas que poderiam ser classificadas de arbitárias e inconstitucionais.
O único governo que sustenta a atual coalizão governativa da Polônia é o da Hungria, ele mesmo sob sérias acusações de direitista, autocrático, xenófobo, enfim, o coquetel conhecido do populismo de direita na Europa.
Transcrevo tal qual.
Paulo Roberto de Almeida

A NOVA CRISE POLÍTICA NA POLÔNIA!
Ex-blog do Cesar Maia
18/01/2017

1. Manifestações contra o Partido Lei e Justiça (PiS) têm sido constante, tendo-se agravado no último mês. A reforma constitucional levou Bruxelas a abrir um inquérito e a oposição quer uma nova votação do orçamento. O PiS chegou ao poder em 2015 - conquistando as presidenciais em maio e as legislativas em outubro - tornando-se o primeiro partido com maioria absoluta na Polônia desde a queda do comunismo. Jaroslaw Kaczynski escolheu os discretos, mais leais, Beata Szydlo e Andrezj Duda para primeira-ministra e presidente, opções que os analistas dizem que se deve parcialmente a preocupações de que a sua imagem poderia prejudicar o partido.
             
2. Mas, a partir dos bastidores, é Jaroslaw Kaczynski, o líder do PiS, quem manda no país, o que ele nega. "Na esfera política, pode dizer-se que eu tenho uma verdadeira autoridade. Mas na realidade, a maioria das decisões é tomada sem o meu conhecimento", garantiu na entrevista que deu na semana passada à Reuters. O partido de Kaczynski chegou ao poder prometendo mais segurança social, mais valores católicos e uma posição mais dura em relação à União Europeia e à Rússia. Passado um ano, continua com o apoio das áreas rurais, mas perdeu seu prestígio dentre a população urbana, mais liberal, e os críticos internos e internacionais acusam o governo de minar a democracia com o seu programa.
            
3. As questões sobre os esforços do PiS para exercer um maior controle sobre a economia e as instituições do Estado levaram a Standard and Poor’s a baixar o rating do país em janeiro. Mas Kaczynski disse estar disposto a ver o crescimento econômico desacelerar um pouco se esse for o preço de levar avante a sua proposta para a Polônia. As mudanças no Tribunal Constitucional, por exemplo, foram discutidas este mês pelo colégio dos comissários e levaram a Comissão Europeia a abrir uma investigação sobre o funcionamento do Estado de Direito, tendo dado, no dia 22, dois meses a Varsóvia para dar uma resposta. Bruxelas não adiantou possíveis consequências, que poderiam passar no caso de a Polónia perder o seu direito de voto com a concordância dos restantes 27 Estados membros, mas tal não acontecerá porque a Hungria já anunciou o seu veto. "É uma absoluta comédia, porque não está acontecendo nada na Polônia que contrarie o Estado de Direito", afirmou Kaczynski, em resposta ao inquérito europeu.
            
4. O líder do PiS - que já classificou o Constitucional como "o bastião de tudo o que é mau na Polónia" - defende que as reformas deste tribunal são necessárias para garantir que não haja bloqueios legais às políticas do governo.  "O objetivo desta legislação é destruir o tribunal, desintegrá-lo, criar uma espécie de conselho privado para o nosso "amado líder"", declarou Andrzej Rzeplinski a The Guardian dia antes de abandonar a presidência do Constitucional, o que aconteceu no dia 19. "O país está no caminho da autocracia", sublinhou o magistrado. No dia 18, milhares de polacos juntaram-se em Varsóvia, em frente ao Constitucional, para agradecer a Rzeplinski por se ter oposto a alterações que, na opinião da oposição, são ilegais.
            
5. A situação no Parlamento também não é pacífica. Os deputados da oposição ocuparam a sala do plenário no dia 16 e dizem que o seu objetivo é lá ficar até, pelo menos, 11 de janeiro, data em que está marcada uma nova sessão de trabalhos.  Em causa está a decisão do governo em limitar o acesso dos jornalistas aos trabalhos parlamentares. O que levou também milhares de pessoas a protestarem na porta do Parlamento. "É um triste e simbólico protesto, o primeiro no Parlamento da Polônia", disse à AFP Joanna Scheuring-Wielgus, deputada do Moderno.
         
6. Em outubro, o PiS retirou um plano para proibir o aborto, depois de um grande número de mulheres vestidas de preto terem protestado por todo o país. Agora, o governo também parece ter cedido na restrição aos jornalistas. Mas a ocupação do plenário continua, pois os deputados da oposição pretendem também a repetição do debate e votação do Orçamento para 2017, que na semana passada, por decisão do presidente do Parlamento, foi realizado fora do plenário e sem a presença dos deputados da oposição, que questionam a legalidade do ato.
          
7. No dia 13, dia do 35.º aniversário da Lei Marcial, milhares de poloneses manifestaram-se nas ruas de Varsóvia em protesto contra as políticas do governo. O mesmo aconteceu em outras cidades do país. Nesse mesmo dia, o Parlamento aprovou uma lei para restringir encontros públicos, o que a oposição considerou um atentado à liberdade de expressão. Em seguida, o presidente recusou-se a assinar esta lei - é a primeira vez que o faz - e enviou-a para o Constitucional.

Para compartilhar o Ex-Blog do Cesar Maia, copie e cole o link abaixo:
http://emkt.frontcrm.com.br/display.php?M=4478207&C=c40f748ce9952be06a4c4ae582036b75&S=11688&L=514&N=4785

sábado, 8 de outubro de 2016

8 de outubro de 1982: ditadura militar sobre a ditadura comunista na Polonia (eu estava lá)

Eu e Carmen Lícia, e nosso filho Pedro Paulo, ainda bebê nessa época, visitamos a Polônia pouco tempo depois desse aprofundamento da ditadura na Polônia, mas que já era um sinal claro da decadência inevitável do poder comunista, já que os militares foram chamados a tentar "colocar as coisas em ordem".
A comparação com o regime militar no Brasil, no auge da repressão, uma década antes, era inevitável, mas a despeito disso, um outro líder sindical no Brasil despontava como um líder de futuro no sistema político brasileiro.
Algum tempo depois, Lech Wallesa e Lula se encontraram em Roma, mais exatamente no Vaticano: o primeiro queria desmantelar o comunismo em seu país, o segundo queria ainda construir o socialismo no Brasil. Deu no que deu...
Ambos foram um fiasco, mas gozaram de certo prestígio durante algum tempo, tanto que foram eleitos presidentes, mas ambos fracassaram em transformar seus respectivos países.
Wallesa foi um incompetente, mas os liberais poloneses consertaram os estragos e fizeram a Polônia ingressar na UE. Lula e seus companheiros ineptos e corruptos simplesmente destruiram a economia brasileira, mas não temos liberais para consertar os estragos.
Ah, sim, o NYTimes esquece da morte de Guevara, num 8 de outubro.
Paulo Roberto de Almeida

On This Day: October 8

Updated October 8, 2013, 2:28 pm
On Oct. 8, 1982, all labor organizations in Poland, including Solidarity, were banned.


WARSAW OUTLAWS SOLIDARITY UNION



Measure Scraps Trade Groups and Limits Right to Strike
By JOHN KIFNER
Speical to The New York Times
OTHER HEADLINES
Jobless Rate Is Up to 10.1% in Month, Worst in 42 Years: 11 Million Are Idle: Data for New York Show Big Decline -- Report Intensifies Debate
Jobless Rate as Vote Issue: Democrats Buoyed; G.O.P. Is Concerned
Federal Reserve Cuts Loan Charge to Banks to 91/2%: Move From 10% Signals More Declines in Interest Rates; Stocks Climb by 20.88
Key Teamster Leader Is Convicted of Labor Racketeering by L.I. Jury
Outside Jobs of Many on Council Raise Conflict-of-Interest Question
Algeria Halts Payment of Claims Against Iran
WARSAW, Oct. 8 -- The Polish Parliament overwhelmingly approved a law today that bans Solidarity, the independent trade union that once captured the imagination and allegiance of nearly 10 million Poles.
The law abolishes all existing labor organizations, including Solidarity, whose 15 months of existence brought exhilaration to many but drew the anger of the Soviet Union and other Eastern-bloc countries. It replaces them with a new set of unions whose ability to strike is sharply restricted.
Reaction of Work Force Uncertain
The scattered, fugitive Solidarity activists, more than 600 of whose leaders are in custody under martial law, have given no indication of their response to the Government edict outlawing their organization.
More uncertain - and perhaps more crucial to the authorities - is the reaction of Poland's increasingly sullen and frustrated work force, hard-pressed by shortages of food and virtually everything else, shortages that will only grow worse as the winter draws on.
The reaction could range from grudging, passive acceptance by even more listless performance in the factories and mines - ''Italian strikes,'' as they are called here - that would harm the crippled economy even more, to the kind of food riots that have periodically toppled governments over the last 26 years or even outbursts of terrorism and violence.
But the hopes of the authorities, as voiced in the official press and the speeches today, were that the new unions would lead to ''normalization,'' a relaxation of tensions and the eventual lifting of the martial law imposed last Dec. 13.
Security guards stood all around the gray Parliament building and uniformed police scrutinized credentials as the members gathered. A chill wind wrapped the red and white Polish national flag around its pole on the roof so it did not flutter.
The special riot policemen, known as ZOMO, who have enforced martial law, were brought back into the city and barracked at several central Warsaw hotels. But no demonstrations developed during the day, and the police were kept mostly out of sight.
When the vote came to dissolve the first experiment in labor democracy in the Eastern bloc at 9 tonight, after nearly seven hours of droning speeches, there were only 10 votes against the Government's bill and 9 abstentions.
In the Parliament, whose 460 members include 262 representatives of the ruling Polish United Workers' Party and 113 representatives of its affiliated United Peasants' Party, the debate was less than heated.
''A new and brave proposal,'' said Jozef Barecki of the Workers' Party, one of 16 members who spoke on the bill. He added that it was ''a major step'' toward creating ''a trade union movement worthy of the contemporary needs of the working class.''
Waldemar Michna of the United Peasants' Party said the new law ''would play a historic role'' and called it ''a momentous act on the road to normalization.''
Two speakers, members of small, independent parties, criticized the bill. One of them, Janusz Zablocki, a member of the Christian Social Association, said: ''Solidarity, whether we like it or not, has became in the society a symbol for renewal. Honest conditions should be created for the renewal of Solidarity, and no attempt should be made for its liquidation.''
The passage of the bill should come as a relief to other Eastern bloc nations, particularly East Germany and Czechoslovakia as well as the Soviet Union, who, fearful the contagion would spread, have been putting pressure on the Polish authorities to stamp out the independent union movement.
Introducing the bill to Parliament, Wlodzimierz Berutowicz, a law professor and Chief Justice of the Supreme Court, said that it ''fulfilled the agreement made with the workers'' at Gdansk in August 1980 - although it was that very agreement that gave birth to Solidarity.
Professor Berutowicz went on at great length to imply that the bill had met with the approval of the International Labor Organization. Tonight in Geneva, however, the I.L.O. director general, Francis Blanchard, said his organization had asked the Parliament to delay approval of the bill until the unions to be abolished, including Solidarity, were consulted.
Professor Berutowicz, other Government officials and the official press insisted that the new unions would be valid instruments because the legislation says they are to be ''independent'' of the management and the Government and because they have the right to strike.
However, the unions are to be linked with the party apparatus - the real political power here - and the ability to call a strike is so severely regulated that, as a practical matter, it would be almost impossible.
Any disputes must go through a complex arbitration process, and a seven-day advance notice must be given before a strike can be called. The Parliament has the ability to declare any strike illegal.
Many segments of the work force, including workers in the state radio and television, hospitals, banks, as well as those involved in delivering food or maintaining oil pipelines are forbidden to strike.
The link with the party, which officials today characterized as a ''partnership,'' is specified in the legislation that says the unions must ''recognize the leading role of the Polish United Workers' Party in the building of Socialism as defined by the Constitution.''
The Solidarity movement was to a large extent a revolt against the entrenched and frequently corrupt party hierarchy. But today the Warsaw daily Zycie Warszawy said that ''partnership between the party and trade unions is the best guarantee for respect of their independence by the authorities and the administration.''