O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

sábado, 11 de abril de 2015

Itamaraty vs Diario do Poder: o caso Eduardo Saboia num tom mais forte

ANÃO DIPLOMÁTICO
ITAMARATY SE ACOVARDA E PUNE DIPLOMATA QUE SALVOU BOLIVIANO
EM ATITUDE VERGONHOSA, ITAMARATY PUNE O MOCINHO DA HISTÓRIA
Diário do Poder: 10 de abril de 2015 às 18:51 - Atualizado às 22:17
Redação
  •  
  •  
  •  
   
O DIPLOMATA FOI PUNIDO EXATAMEMTE POR FAZER O QUE O ITAMARATY, POR COVARDIA, DEIXOU DE FAZER. (FOTO: FABIO RODRIGUES POZZEBOM)

Após “cozinhar” o caso covardemente desde agosto de 2013, o Ministério das Relações Exteriores aplicou pena de suspensão de vinte dias ao ministro Eduardo Saboia, herói brasileiro que naquele ano salvou a vida de um senador de oposição asilado na embaixada em La Paz, na Bolívia, ajudando-o a fugir para o Brasil. Diplomatas afirmam que o Itamaraty teve medo de contrariar Dilma, caso não o punisse.

A covardia do Itamaraty não é recente, nesse caso. O então ex-chanceler Antonio Patriota fez de tudo para tornar insuportável a vida do senador asilado Roberto Molina, inclusive ordenando que fosse confinado num cubículo sob a escada, na sede da embaixada brasileira, e ainda confiscou-lhe o celular.

Enquanto atormentava o senador asilado, o Itamaraty não fazia qualquer gestão séria para fazer o governo boliviano expedir um salvo-conduto que permitisse a saída de Molina do país em segurança.

A ordem do governo Dilma era tratar mal o senador Molina para agradar o cocaleiro Evo Morales, que o persegue. O diplomata Eduardo Saboia, que na época era o encarregado de negócios do Brasil em La Paz, ao perceber que o asilado definhava e mergulhava em profunda depressão, decidiu impedir o pior.

Nenhum comentário: