O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Mercosul para "desaprendizes": editorial de "O Globo"

Existe, claro, a figura dos "aprendizes", aqueles jovens que são incorporados como estagiários ou recém incorporados ao mercado de trabalho e que aprendem com os mais velhos como fazer as coisas, os macetes da profissão, as dicas para um bom desempenho e até alguns "segredos" do ofício, que mistura um pouco de experiência e um pouco de "maladragem", no bom sentido da palavra, que os mais velhos e mais calejados na profissão passam a esses jovens entusiastas e entusiasmados com sua nova ocupação.
Não é, certamente, o caso do Mercosul, tanto porque ele já caminha para a maioridade, já passou a sua fase de aprendizado, mas, curiosamente, ainda se comporta como um "aborrecente", ou menino "impossível".
Ninguém ali pode ser chamado de aprendiz, nem são eles "aprendíveis", pois a malandragem praticada no bloco é aquela da inadimplência em relação às obrigações contratuais, a incapacidade de conduzir as reformas internas para cumprir os requisitos do bloco -- ou seja, normas que os próprios chefes de Estado aprovaram e que se recusam a implementar internamente -- e até a falta de vontade para enfrentar as questões reais, preferindo alguns a velha política do "beggar-thy-neighbor", ou seja, empurre a crise para o seu vizinho. É mais ou menos o que pratica a Argentina em relação ao Brasil -- impondo salvaguardas e outras barreiras não apenas abusivamente, mas também de forma ilegal, do ponto de vista não só das regras do Mercosul, mas também com respeito ao quadro legal do GATT -- aliás, diga-se de passagem, com a complacência, a conivência e até a colaboração das autoridades da vítima, o que pode parecer inacreditável.
Esta é, no entanto, a realidade do Mercosul, em seus 20 anos de existência. Não creio que venha a melhorar muito nos próximos anos...
Paulo Roberto de Almeida

Editorial - Mercosul e seu futuro incerto
O Globo - 16/12/2010

É provável que, na reunião de hoje de presidentes de países do Mercosul, Lula faça um dos seus pronunciamentos emocionados. Pois, mais do que passar o posto de presidente do bloco para o Paraguai, Lula se despede do fórum. Depois de hoje, só em 2015 ou 2019, caso se candidate e se eleja novamente presidente. 

Outra curiosidade da cúpula, no mínimo polêmica, é a proposta, levada pelo próprio Brasil, de criação de um cargo de alto representante do Mercosul. Para quê? 

Ficou inevitável ironizar que gerar emprego sustentado pelo contribuinte é mesmo uma das habilidades de Lula. Não esquecer que a máquina pública brasileira e respectiva folha de salários incharam como poucas vezes nos oitos anos do presidente petista. Como não se enxerga qual a função objetiva deste executivo - mais do que isso: como não se sabe a forma pela qual o alto funcionário possa ajudar a desobstruir os gargalos existentes no bloco - também foi inevitável especular se o Brasil, em fase de troca de governo, mesmo que seja dentro do mesmo grupo político, não estaria tentando criar um emprego bem remunerado para algum companheiro fora dos planos de Dilma Rousseff para depois do dia 1º. 

Não se pode imaginar que o ex-presidente Lula se veja no cargo. As especulações, é inexorável, terminam apontando para o ministro Celso Amorim. 

Mas tudo isso é pouco para uma reunião de presidentes de um bloco comercial que enfrenta dificuldades há tempos. Do ponto de vista das estatísticas, o Mercosul passa por um bom momento: segundo a Cepal, as economias latino-americanas e caribenhas terão crescido este ano 6%, acima da média mundial. Devem desacelerar em 2011, para 4,2%, mas, diante da conjuntura europeia e norte-americana, não é um número ruim. Em grande parte, a região tem sido puxada pelo Mercosul, com um crescimento estimado de 6,6%. Só o Brasil, o carro-chefe, deverá passar dos 7,5%. A Argentina, por sua vez, se beneficia do empuxo brasileiro e também dos altos preços das commodities no mundo. 

Mas, como a conjuntura mundial é incerta, pode pesar no futuro o fato de o Mercosul, por influência brasileira e argentina, ter poucos acordos bilaterais de comércio. Hoje, em Foz do Iguaçu, serão formalizados acordos com 11 países em desenvolvimento, para o corte de 20% em tarifas que incidem em boa parte das trocas comerciais entre eles e também com o Mercosul. Na lista aparecem Índia, Indonésia, Malásia, Coreia do Sul, Egito e Marrocos. Não compensará o que se deixou de ganhar com o fracasso da Rodada de Doha, mas é melhor do que nada. O Brasil e, por tabela, o Mercosul perderam muito tempo à espera de um desfecho positivo da negociação no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), chamada de Doha. 

Outro ponto de interrogação é sobre a extrema dificuldade de o Mercosul ser mesmo um mercado comum. E está longe de ser, principalmente pela dificuldade de a Argentina expor sua economia à competição do Brasil. Além disso, existem a instabilidade institucional argentina e o espectro da Venezuela de Hugo Chávez, o qual os dois principais países do bloco insistem em abrigar no Mercosul, mesmo sendo ele um parceiro capaz de desestabilizar qualquer plano sério de novas alianças comerciais. Ainda é obscuro o futuro do Mercosul, u
m projeto que precisa ser fortalecido.


Nenhum comentário: