O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Ah, esses historiadores improvisados...da "Idade Media"...

Medieval???!!!
Para quem, cara pálida?

Capturando pela internet a rádio BBC no meu iPhone, enquanto em viagem, ouvi o primeiro ministro britânico David Cameron - que aliás pode ver um Reino Unido amputado da Escócia, como resultado do referendo de hoje - referir-se à decapitação de um refém súdito de Sua Majestade pelos fundamentalistas do assim chamado Estado Islâmico como sendo uma "prática medieval".

Não, não é. Nem no sentido estrito, nem no lato. Decapitações não eram comuns na Idade Média, nem o conceito, típico do contexto histórico europeu, e criado já na era moderna, poderia ser aplicado ao Oriente Médio contemporâneo, certo?

Os britânicos, por sinal, decapitaram um de seus reis, mas isso já foi em plena era moderna, certo?

Agora, vendo um site da Berkeley sobre as viagens do exploradior e geógrafo muçulmano Ibn Battuta, verifico que o redator da introdução comete o mesmo equívoco, cono transcrito abaixo:
Welcome to this tour of Ibn Battuta's medieval travels. You will be following in the footsteps of this famous 14th century Muslim traveler, exploring the places he visited and the people he encountered. To help you learn more about his adventures there will be images of the people and places he saw, information on the food he might have tasted, and "side trips" into the past and future.

Quando é que esse pessoal vai deixar de abusar da história, ao utilizar conceitos típicos da história europeia, aliás duvidosos, em outros contextos e lugares?
Paulo Roberto de Almeida 


Nenhum comentário: