O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

A arma do riso como resistência democrática- Paulo Roberto de Almeida

A resistência pela via do humor.
Paulo Roberto de Almeida

A melhor maneira de retirar legitimidade a um governo medíocre e perverso, do ponto de vista dos valores democráticos, é abrir caminho para o seu enfraquecimento, pela via do ridiculo e da chacota. 
Não cabe opor-lhe resistência organizada em movimentos contrários, pois isso poderia dividir ainda mais a sociedade e resultar em violência, o que sempre oferece riscos para a institucionalidade democrática.
Expor as vísceras de um governo desprezível pelo método do riso e da gozação permite que as pessoas reflitam sobre a fragilidade dos aparentemente poderosos, contrariando seus desejos de serem vistos como grandiosos e esclarecidos.
Não por outra razão, cartunistas, chargistas, humoristas, cronistas do desenho caricatural, são vistos como os piores inimigos de ditadores e de personalidades autoritárias, e por vezes sofrem as consequências por serem os reveladores dos ridículos desses seres grotestos. 
Hitler terminou com o riso na Alemanha de Weimar. Stalin tinha horror aos poetas livres. Mao fez pior: anunciou a politica das “mil flores” para depois ceifá-las impiedosamente na primeira grande onda de repressão política.
Minha mensagem pessoal aos democratas da atualidade brasileira: o governo da Bolsofamiglia é absolutamente ridículo, e como tal deve ser considerado por todos aqueles que ainda conservam certo sentido de humor nas presentes circunstâncias.
No que me concerne particularmente, a Bolsodiplomacia expõe o Brasil e o Itamaraty ao desprestígio universal, e por isso suas características ridículas devem ser expostas claramente por todos os profissionais da carreira que prezam pela dignidade da instituição.
Cabe, finalmente, recorrer ao velho latim, não para qualquer tipo de exibicionismo ridículo como faz habitualmente o chanceler acidental, mas para reforçar o nosso método:
Ridendo castigat mores!
Paulo Roberto de Almeida 

Brasília, 18/10/2019

Nenhum comentário: