O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

A diplomacia amadora do Brasil, da dupla Bolso-EA - Afonso Benitez (El País)

Diplomacia do Brasil é vista como amadora, ainda que pragmática

Especialistas e diplomatas avaliam discursos de Bolsonaro e de Ernesto Araújo e dizem que a Argentina é o alvo que a China já foi no passado recente

Afonso Benitez
El País, 31/10/2019
O príncipe saudita Mohammed bin Salman e o presidente Jair Bolsonaro.
O príncipe saudita Mohammed bin Salman e o presidente Jair Bolsonaro.José Dias (PR)
A duas semanas de sediar a reunião de cúpula dos BRICS, o Brasil expôs uma diplomacia marcada por instabilidade e amadorismo, segundo especialistas e diplomatas estrangeiros lotados no Brasil. As avaliações negativas são direcionadas ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), e ao seu chanceler, Ernesto Araújo, responsáveis por liderar as tratativas com os parceiros internacionais. Em seu tour de 12 dias pela Ásia e Oriente Médio, Bolsonaro reforçou a percepção  de que prefere governar sob um discurso para agradar a seus eleitores radicais do que mandar mensagens para o mundo. Antes do imbróglio sobre a investigação de Marielle Franco, Bolsonaro causou espanto ao criticar a eleição de Alberto Fernandez para a presidência da Argentina e declarar que não iria parabenizá-lo. Disse ainda que mulheres gostariam de passar uma tarde com um príncipe (em referência ao príncipe saudita Mohammed bin Salman, acusado de matar um jornalista) e afirmou que tinha “afinidade” com Salman. Antes, falando para o seu público eleitor pelo Twitter já havia insinuado que o Foro de São Paulo estava vivo, por causa de um discurso do presidente venezuelano, Nicolás Maduro.
O EL PAÍS entrevistou dois representantes de embaixadas estrangeiras que vivem no Brasil, um diplomata brasileiro e dois professores de relações internacionais e ciências políticas. Os membros dos corpos diplomáticos falaram sob a condição de não terem seus nomes publicados. “Em termos de valores e tradições da política externa e do nível de profissionalização de nossos diplomatas estamos diante de um retrocesso”, avaliou a coordenadora do curso de Relações Internacionais da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Fernanda Magnotta. Conforme essa especialista, colegas que atuam em universidades de outros países têm visto os representantes do Ministério das Relações Exteriores como amadores, algo que não ocorria em gestões passadas. “Do presidente Bolsonaro poderíamos esperar tudo, porque ele é um radical. Mas de seus diplomatas, esperávamos um pouco mais de bom senso. Algo que não temos visto na gestão Araújo”, afirmou um dos diplomatas estrangeiros entrevistados pela reportagem.
Na visão de Magnotta, o presidente Bolsonaro também tem demonstrado estar deslumbrado com o cargo máximo da República. “Antes de se empolgar com a suntuosidade do lugar que se visita, o presidente precisa pensar quais valores se está propagando”, afirmou a professora. Ao conversar com jornalistas em Riad, na Arábia Saudita, Bolsonaro foi questionado sobre o que esperava das reuniões que teria durante a tarde com o príncipe Salman. Ao que respondeu: “Todo mundo gostaria de passar a tarde com um príncipe. Principalmente vocês, mulheres”.
Quando o assunto foi a Argentina, o chanceler Ernesto Araújo manteve a estratégia de que sempre é necessário eleger um inimigo. Disse, por exemplo, que “forças do mal” celebraram a eleição de Fernandez. Em seu perfil no Twitter, Araújo escreveu que “as forças da democracia estão lamentando pela Argentina, pelo Mercosul e por toda a América do Sul”.
Já Bolsonaro afirmou que, apesar de não parabenizar o presidente eleito da Argentina, ele não pretende fechar portas a ele. As falas enviesadas a Fernandes responderam, de fato, ao que foi visto como provocação por parte do presidente brasileiro. “Estamos preocupados e receosos, tendo em vista até o gesto que ele [Fernández] fez de Lula Livre”. Defensor da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Fernández já criticou Bolsonaro em entrevistas anteriores. Disse, por exemplo, que celebrava quando o presidente brasileiro o criticava. O chamou de racista, misógino, violento e defensor da tortura. “Com Bolsonaro, não tenho problema em ter problemas”, disse em entrevista a uma emissora argentina.
Professor de ciência política da Universidade de Brasília (UnB), Paulo César Nascimento diz que a diplomacia brasileira tem se esquecido que as relações entre os países são entre Estados, não entre Governos. “A ideologia não deve ser trazida a nenhuma mesa de discussão”, disse.

Vitória do pragmatismo

Apesar dos discursos radicais de Araújo e Bolsonaro, até o momento o pragmatismo, defendido principalmente pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, tem vencido essa disputa interna no Governo. Meses após assumir a presidência, Bolsonaro chegou a dizer que os chineses queriam comprar o Brasil, e não do Brasil. Afirmou que as relações exteriores do Brasil seriam abertas a todo mundo, independentemente da ideologia, mas sempre criticou o comunismo chinês. “O Governo é obrigado a recuar por causa da realidade”, ponderou Nascimento.
Há quase uma década, a China é o principal parceiro comercial do Brasil. Dados do Ministério da Economia mostram que de janeiro a setembro deste ano a balança comercial entre os dois países atingiu a marca de 72,8 bilhões de dólares (291,2 bilhões de reais), o que representa 24% de tudo o que o Brasil comercializou com o restante do mundo.
Já a Argentina, o alvo da vez, está em terceiro lugar nesse ranking – atrás dos Estados Unidos. Registrou comércio de 15,2 bilhões de dólares (60,8 bilhões de reais) no período. É o principal parceiro na América Latina. “O presidente adota a estratégia do morde assopra. Tem uma narrativa muito agressiva, mas que não é acompanhada de uma prática do mesmo tom. Já mudou com a China. Em breve, também deve mudar com a Argentina”, ponderou a professora Magnotta. Os afagos ao príncipe árabe também respondem a uma ação concreta. A Arábia Saudita anunciou investimento de 10 bilhões de dólares em infraestrutura no Brasil.

Nenhum comentário: