O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

domingo, 4 de agosto de 2019

Diplomata critica Itamaraty por veto a prefácio de Ricupero: ‘stalinismo diplomático’

Diplomata critica Itamaraty por veto a prefácio de Ricupero: ‘stalinismo diplomático’

O movimento suprapartidário Livres também se manifestou contra a atitude, defendendo o ex-ministro dos governos de Itamar Franco e FHC
Rubens Ricupero (Foto: Reprodução / El País)
O movimento suprapartidário Livres e o diplomata Paulo Roberto de Almeida se manifestaram em suas redes sociais nesta quinta-feira (1) contra o veto do Itamaraty à publicação de um livro que contém prefácio de Rubens Ricupero. Ricupero, célebre diplomata que ocupou ministérios nos governos de Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, é membro do Conselho Acadêmico do Livres. [1]
As manifestações aconteceram porque o embaixador Synesio Sampaio Goes Filho submeteu uma biografia de Alexandre de Gusmão, diplomata do século XVII, à apreciação do Itamaraty, mas o órgão só aceitou fazer a publicação se o prefácio assinado por Ricupero, desafeto do ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, fosse retirado. Ricupero tem feito críticas à conduta do ministério.

O Livres considerou que a atitude foi “uma postura de aparelhamento e confusão entre público e privado, além de um grande desrespeito ao embaixador”. Enfatizou ainda que Ricupero é “um grande brasileiro, com imensos serviços prestados ao Brasil”. Já Paulo Roberto de Almeida, que também é desafeto de Ernesto Araújo e crítico contundente do governo Bolsonaro, comparou o gesto às etapas da prática de censura sob o regime stalinista.
Para o diplomata, o Itamaraty está adotando um “stalinismo diplomático”: “se o prefácio fosse escrito por um bolsonarista, mas que defendesse posturas divergentes da atual diplomacia, seria provavelmente publicado junto com a biografia”, avaliou Paulo Roberto.

Nenhum comentário: