O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Solzenitsin nas pegadas de Lenin; resenha de livro de Alexandre Solzenitsyn - Paulo Roberto de Almeida

Uma resenha feita em 1976, no exílio, falando de outro exilado:


Solzenitsin nas pegadas de Lênin

Alexandre Soljènitsyne:
Lénine à Zurich
(Paris: Editions du Seuil, 1975, 223 pp.; trad do russo: J.-P. Semon)

Um exilado político revisitado por um outro exilado, tal poderia ser o subtítulo da mais recente obra do emigrado político Alexandre Solzenitsin. Desta vez entretanto o escritor russo não sobrevoa os campos de seu Gulag habitual, desvendando aos olhos do mundo o universo concentracionário versão soviética. A empresa é mais árdua, pois trata-se agora de ir às origens do nefando sistema. Solzenitsin se dirige desta vez ao coração da Europa, à Suíça mais exatamente, onde, alguns anos antes do estabelecimento do poder soviético, aquele que iria ser seu primeiro dirigente estava condenado à emigração forçada.
Uma visita não de todo inocente, pois Solzenitsin não se contenta simplesmente em marchar sobre as pegadas de Lênin em seu refúgio suíço: mais que isso, o novo exilado de Zurich instala Lênin sobre seu divã psicanalítico na intenção de penetrar o pensamento do líder bolchevique e descobrir as “motivações profundas” que guiariam suas atividades políticas, aos tempos da Primeira Guerra Mundial. De uma maneira geral, poder-se-ia dizer desta obra que ela é mais uma tentativa de reconstituição histórica de uma fase do movimento bolchevique, visto a partir da condição pessoal de seu chefe mais distinguido, com esta diferença essencial, entretanto, que Solzenitsin não é exatamente aquilo que poderíamos chamar de um “observador imparcial”.
Evidentemente, a estrita imparcialidade de um historiador político é algo tão pouco seguro quanto a questão da infalibilidade papal, isto é, não existe nenhuma garantia a priori de que tal ou qual escritor assuma uma postura de absoluta objetividade na apresentação de um determinado problema histórico. A questão da “objetividade” do escritor é ainda mais problemática quando ele tem a “julgar” situações sociais especialmente controversas, como por exemplo os caminhos contraditórios do marxismo russo no começo deste século. Isaac Deutscher e Edward Carr, os dois maiores especialistas no estudo do processo revolucionário russo, ainda que vindo de horizontes políticos e sociais diversos, souberam traçar um imenso painel da Rússia pré- e pós-leninista onde a riqueza de dados não encobre a preocupação em selecionar e ordenar os fatos mais significativos segundo uma compreensão determinada deste mesmo processo.
A crítica relevante que se poderia fazer a Solzenitsin não é exatamente a que se refere à sua visão definida do movimento leninista e de suas consequências práticas – o que aliás é seu direito –, mas o fato dele reconsiderar o movimento histórico real segundo “sua” visão peculiar da História. Não que, em Lénine à Zurich, Solzenitsin proceda a uma revisão histórica fundamental dos dados do problema – que já são por demais conhecidos para serem “reinterpretados” – mas as concepções políticas do escritor estão sobremaneira implícitas em cada página desta “biografia” para que não as percebamos. Para aqueles todavia que não conheçam suficientemente a “visão do mundo” de Solzenitsin, recomenda-se a leitura de sua Carta aberta aos dirigentes da União Soviética (1972), onde o escritor “dissidente” prega um retorno às raízes culturais e religiosas da Santa Rússia do séculos anteriores. Em suma, o pensador ideal para os nossos medievais caboclos da TFP ou, como diria Millor Fernandes, uma jóia do pensamento liberal.
Lénine à Zurich compõe-se de alguns capítulos da grande obra que Solzenitsin empreendeu, visando reconstituir, numa espécie de fresco histórico (que traz evidentemente sua patente ideológica), os anos de transformação revolucionária que agitaram o gigantesco Império tzarista russo e determinaram sua queda. Originalmente, a obra em questão deveria fazer parte de um material mais importante e que apenas a pressa das editoras ocidentais determinou que fosse publicada prematuramente, rompendo a divisão em “laços” que Solzenitsin havia estabelecido, segundo cada período histórico estudado. Assim, o primeiro capítulo de Lénine à Zurich constituía na verdade o capítulo 22 (inédito até então) do primeiro “laço”, isto é a obra Agosto 14, já publicada desde 1972 pela maior parte dos editores ocidentais. Os restantes capítulos constituem partes dos segundo e terceiro “laços”, intitulados Outubro 16 e Março 17 respectivamente e cujo término para publicação estes mesmos editores esperam impacientemente, já que o nome Solzenitsin é garantia de sucesso. Já se publicaram no Ocidente nada menos do que quatorze obras de Solzenitsin e se espera, para dentro em breve, o aparecimento do terceiro tomo do Arquipélago de Gulag, assim como de seus Discursos Americanos, coletânea das principais declarações públicas que fez o escritor durante sua cruzada anticomunista em terras americanas, gentilmente convidado que foi pela AFL-CIO.
Esta obra sobre Lênin cobre o período da Primeira Guerra Mundial, que o líder bolchevique passa em seu refúgio de Zurich, dividindo seu tempo entre as leituras na biblioteca pública, as discussões políticas no Kegelklub – o clube político do restaurante Stüssihoff, onde se reuniam sociais-democratas suíços e emigrados políticos estrangeiros – e as poucas horas de privacidade com Nadezda Krupskaia, no modesto apartamento que eles ocupavam numa das ruelas da cidade. Seguindo os passos de Lênin (mas não o fio de sua contribuição teórica, é claro) Solzenitsin consegue reproduzir os diferentes aspectos de uma vida toda ela dedicada ao objetivo maior que era a revolução.
Seria preciso esclarecer contudo que a “reconstituição” de Solzenitsin tem muito pouco de uma obra política propriamente dita, pelo menos no sentido que habitualmente se dá ao conceito de “abordagem política de um fenômeno revolucionário”. Trata-se mais exatamente de uma espécie de mergulho nas reflexões pessoais de Lênin, ou naquilo que supostamente seriam suas preocupações mais profundas, algo enfim como uma análise psicológica do velho Lênin passando pela mediação de Solzenitsin. A primeira vista, nada de errado com este tipo da démarche: mais uma tentativa de abordar um movimento político através da biografia de um de seus protagonistas principais. O problema está, contudo, em que Solzenitsin não consegue, por razões óbvias, traduzir toda a riqueza e complexidade do pensamento de Lênin sem cair em interpretações apressadas de suas presumidas motivações. As decisões políticas de Lênin, enquanto chefe de Partido, são um tanto quanto rapidamente mergulhadas num clima de grandes contradições pessoais e transformadas, em fim de conta, em meras decisões pessoais nas quais estaria uma boa dose de impetuosidade momentânea. Daí a dificuldade aparente de uma crítica essencialmente política à obra de Solzenitsin uma vez que o bisturi do escritor não se dirige tanto ao pensador revolucionário, ao “animal político” que era Lênin, mas ao homem propriamente dito, ao indivíduo concreto tomado em sua dimensão quotidiana.
Se é em parte verdade que os “revolucionários profissionais” cultivam muito pouco aquilo que se chama vida pessoal e privada, a de Lênin confunde-se inteiramente e de uma maneira absoluta com a do partido que ele ajudou a criar e dirigiu durante o longo caminho em direção do poder. O ritmo da vida do Partido Operário Social-Democrata Russo pulsa nas veias de Lênin e impregna suas mínimas ações diárias, numa simbiose que Solzenitsin consegue captar razoavelmente bem. O interesse da obra está precisamente em que as atitudes propriamente políticas do revolucionário emigrado, se bem que somente vislumbradas, são situadas em seu ambiente de origem, recolocadas num contexto mais geral que é a vida mesma de um ativista incansável em condições de exílio político. Dois problemas estão constantemente presentes na atividade de Lênin, em Zurich: por um lado, manter a ligação política e orgânica com o interior, o que significa estar a altura das responsabilidades de um membro da direção de um partido perseguido, e por outro, encontrar as condições materiais mínimas de funcionamento de um aparelho clandestino, mas não menos atuante.
O vínculo político e orgânico com a realidade concreta da Rússia tzarista não era tarefa fácil, em virtude das enormes dificuldades de comunicação entre os países europeus colocados em situação de guerra e em campos opostos. Um pequeno exército de espiões e agentes pululavam de parte e outra das linhas de combate, como nos próprios países neutros, e é nesse cenário que se moviam certas espécies particulares desse exército das sombras: uma pequena mas eficaz rede de “correspondentes” e elementos móveis assegurava a transmissão das diretivas mais importantes, pelos meios os mais diversos. A vinda, por outro lado, de quadros partidários do interior do Império tzarista permitia a Lênin completar sua informação sobre a situação e o estado de ânimo respectivo de cada uma das classes sociais de seu país. Nada de muito perfeito, porém, e Lênin não conservou, em todas as ocasiões, uma percepção real da catástrofe iminente que estava para se abater em fevereiro de 1917: a ponto que, em princípios desse ano, ele já admitia, amargurado, que talvez sua geração não visse a revolução chegar. Não é sem surpresa, portanto, e com alguma incredulidade que o futuro dirigente soviético recebe as primeiras noticias de que o proletariado e os soldados de Petrogrado se haviam revoltado contra o governo do Tzar. A Revolução de Fevereiro viria tirar Lênin de sua modorra zuriquesa para precipitá-lo no primeiro plano da história mundial.
Não sem poucas dificuldades aliás, pois toda a questão era saber como, nas condições do momento, alcançar o território russo, uma questão em íntima relação com as possibilidades reais do aparelho partidário que dirigia Lênin. Durante toda a sua história, o POSDR se havia dividido (entre outras coisas) sobre a questão de como deveria ser seu suporte material, mais bem dito sua base financeira. Depois que o V Congresso do partido, em 1907, condenou as expropriações a bancos e agÍncias postais – das quais a mais célebre foi seguramente a de Tiflis, organizada e comandada por um obscuro georgiano que respondia pelo nome de Koba e que mais tarde iria se tornar famoso como Stalin – o grupo de Lênin passou a sobreviver com os parcos recursos que lhe procuravam alguns de seus militantes mais bem instalados na vida. Enquanto isso, os membros da minoria, os mencheviques, contavam com gordas contribuições de seus aliados burgueses e com partes dos salários de seus deputados na Duma (enquanto esta existiu pelo menos).
Sem capitais, nenhuma possibilidade de tomar o poder, tal parecia ser a questão crucial nesses anos de dificuldades; o gênio político de Lênin, contudo, não se prolongava ao terreno dos negócios. Um curioso social-democrata, e ao mesmo tempo genial estrategista político, soube perceber bem cedo a importância dessa força material que é o dinheiro para uma organização que pretenda sobreviver política e materialmente. Isolado durante muitos anos por todas as correntes socialistas européias, criticado pela sua “corrupção financeira”, Alexandre Helphand, aliás Parvus, adotou para si a consigna: “se você quiser abater os capitalistas, torne-se um deles”. Nos anos de refluxo revolucionário, Parvus se dedicou a acumular fortuna pelos mais diversos meios, pensando colocá-la a serviço da revolução proletária: negócios comerciais rendosos e alguns tráficos escusos junto aos sultões da Turquia, conselheiro financeiro dos governos turco e búlgaro durante a guerra, casas de import-export em alguns pontos da Europa, enfim, todos os métodos eram bons para esse homme d'affaires da revolução.
Mas, o golpe mais genial de Parvus, o big business de sua vida será, sem dúvida, suas conversações secretas com o governo alemão em vistas de realizar um negócio “interessante” para ambas as partes: dentro de seu grandioso plano, ele incitava o governo alemão a sustentar financeiramente os grupos políticos de oposição ao tzarismo (sobretudo os da corrente radical que se opunham de maneira absoluta à guerra imperialista) e a fazer passar para a Rússia os elementos capazes de derrubar o império tzarista, carcomido mas ainda potente na frente da guerra com a Alemanha. De sua parte tratava-se de encontrar “armas e bagagens” para alimentar os grupos revolucionários russos, em sua luta de morte contra o absolutismo. Lênin, colocado ao par desse plano mirabólico, nunca aceitara as proposições de Parvus, que já dispunha de alguns milhões de marcos colocados à disposição dos revolucionários russos pelos próprios conselheiros do Kaiser. Ademais, Parvus exigia – e isto já era impossível aos olhos de Lênin – a unidade no seio da esquerda russa, seriamente dividida em vários grupusculos ao cabo dos anos de refluxo que se seguiram ao grande ensaio geral de 1905. No final de tudo, será graças à intervenção de Parvus e a ajuda do governo alemão que Lênin e seu grupo poderão finalmente alcançar Petrogrado, em abril de 1977, depois de atravessarem a Alemanha no famoso “trem blindado”.
Data desta época, aliás a acusação de “Lênin, agente alemão”, tão frequente na imprensa mundial durante os meses de revolução. Sem cair nesse erro grosseiro, Solzenitsin não deixa passar a ocasião de reproduzir em seu livro vários documentos oficiais (desconhecidos até recentemente) que atestam que as autoridades alemãs fizeram não poucos esforços para neutralizar a potência russa via injeção de revolucionários no coração mesmo do confuso “Governo Provisório”. A intenção de Solzenitsin seria insidiosa se ela já não fosse irrelevante historicamente: nunca houve nenhum tipo de compromisso entre o governo alemão e o futuro dirigente bolchevique. Na guerra, como na luta política, certas alianças indesejadas se impõem inevitavelmente, e as alusões indiretas de Solzenitsin apenas confirmam sua “alta qualidade” de historiador.
Contudo, esta aparente deformação do real não é o mais importante na obra de Solzenitsin, nem traduz o estilo geral desta curiosa “biografia”: o que o atual emigrado de Zurich faz, de uma maneira geral, é julgar o emigrado de sessenta anos atrás por meio de suas lentes desfocadas e previamente orientadas. Na base da concepção de Solzenitsin está a preocupação em provar como a inflexibilidade doutrinária e o rigor na aplicação dos princípios, tão típicos do pensamento e da ação leninista, constituem na verdade os primeiros sintomas de um sistema e de uma prática totalitárias, que iriam alcançar seu paroxismo durante o período stalinista. Preocupação que não está ausente, tampouco, de uma recente obra sobre o problema publicada em França, e que faz revelações surpreendentes para os espíritos incautos, acostumados a ver na “brutalidade natural” de Stalin a raiz de todos os males do socialismo soviético .
O debate sobre o fenômeno totalitário sob o socialismo, e sua modalidade concentracionária, está lançado e, como se as autoridades soviéticas não quisessem estar ausentes, elas acabam de dar sua contribuição a ele, através da publicação de um livro sobre Lênin e a Tcheka. A obra reúne documentos em grande parte inéditos desta fase jacobina da revolução russa, em especial sobre o papel de Lênin na criação e supervisão da primeira polícia política do Estado Soviético. Com efeito, a Tcheka – surgida apenas dois meses depois da instalação no poder dos bolcheviques – iria desempenhar um papel de primeiro plano na “defesa” e consolidação da jovem República Socialista, acossada pelos inimigos internos e pelas intervenções estrangeiras; os excessos de zelo cometidos pelos mais ardorosos defensores da ordem soviética são, na obra soviética, parcialmente justificados pela necessidade do momento.  Está claro que a legalidade socialista não se contenta de um estrito ponto de vista jurídico tradicional, sobretudo em períodos de transformação revolucionária; mas de lá a atribuir a uma espécie de “pecado original do socialismo” a inevitabilidade da repressão política em condições de construção do socialismo, como o faz Solzenitsin, vai uma grande distância.
Aliás, Solzenitsin vai muito mais além na atribuição de responsabilidades pelo Termidor soviético: não apenas Lênin, Dzerjinski, Stalin e outros são diretamente responsáveis pelo “terror gulaguiano”, mas os “mentores intelectuais” do sistema também teriam sua quota parte. A doutrina “implacavelmente violenta” de Marx e Engels, assim como a inflexibilidade de Lênin em certas questões de princípio são, para Solzenitsin, as provas mesmo de que o pensamento socialista é intrinsecamente mau e traz em si os germes de sua deformação totalitária quando erigido em sistema de poder. A banalidade do raciocínio não encobre sua intencionalidade, no plano teórico: trata-se de negar em bloco a contribuição imensa que, desde Hegel, a “filosofia negativa” – isto é, a dialética da negação  - deu à lenta constituição de uma teoria social suscetível de transformar o curso da História.
A tentativa de ligar o fenômeno totalitário a uma determinada corrente filosófica não é, contudo, prerrogativa de Solzenitsin unicamente: um outro “batalhador do mundo ocidental”, o filósofo Karl Popper faz ascender as primeiras manifestações do totalitarianism não apenas a Marx e a Hegel, mas ao próprio Platão!  Como se vê, a lista começa a ser longa e, em sua tentativa de conjurar a “crise espiritual do Ocidente”, Solzenitsin não hesitará seguramente em acrescentar mais alguns nomes para ver se o mal ainda pode ser exorcizado. A próxima lista poderá fazer remontar as acusações não apenas a Marx e Hegel, mas talvez a Kant, Galileu, Epicuro e quiçás mais longe ainda. A pretender trazê-los aos banco dos acusados, Solzenitsin promete-nos um grande processo, sem dúvida alguma. A nós, simples mortais, resta-nos o consolo de saber que a maior parte desses senhores, longe de se dedicarem à elaboração de filosofias exóticas (de tão má influência em nossas escolas de pensamento desde que a escolástica deixou de existir), participaram da formação mesma da cultura ocidental e a ela estão indissoluvelmente ligados.

[Antuérpia, fevereiro de 1976]
[Publicado [PR] no jornal semanal Opinião
(São Paulo, nº 181, 23 abril 1976)]
[Relação de Trabalhos nº 016]
[Relação de Publicados nº 006]

Nenhum comentário: