O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

terça-feira, 31 de julho de 2012

Friedman: o baixinho mais influente do pensamento econômico do seculo XX

OK, eu sei que o teórico mais influente do pensamento econômico no século XX foi o "altinho" John Maynard Keynes, mas este era um semi-aristocrático pensador, ligado ao mundo das artes e da alta finança, e talvez não tenha conhecido a economia real dos homens que trabalham com seus braços e suor, como fez Milton Keynes, filho de imigrantes pobres que se converteu do New Deal ao liberalismo clássico, que ele enriqueceu com seu pensamento inovador. Keynes saiu da economia neoclássica -- com algumas tinturas de socialismo fabiano -- para o intervencionismo salvacionista, que Friedman rejeitava com base em seus raciocínios e a experiência de vida, ao registrar tantos fracassos do dirigismo estatal.
Um homem que ainda não triunfou totalmente, mas que vai triunfar ainda mais, ao assistirmos por ele ao fracasso dos experimentos keynesianos. 
Alguns anos atrás, eu também escrevi uma homenagem a ele e a Roberto Campos, o economista brasileiro provavelmente mais próximo das ideias de Milton Friedman; ver aqui: http://www.pralmeida.org/05DocsPRA/1686FriedmanBobFields.pdf
Paulo Roberto de Almeida 



Monetarism and the Man
Remembering Milton Friedman on his 100th birthday
The City Journal, 31 July 2012 (Summer 2012, vol. 22, n.3)

After Milton Friedman’s death on November 16, 2006, the diminutive intellectual cast such a long shadow that even as staunch an adversary as Paul Krugman begrudgingly remembered him as “a man of intellectual courage who was one of the most important economic thinkers of all time, and possibly the most brilliant communicator of economic ideas to the public that ever lived.” But upon his birth to immigrant parents 100 years ago today, the chances of Friedman’s becoming an academic, let alone one of the century’s most influential, seemed remote. And yet it’s Friedman’s obscure beginnings—not the months he spent on the bestseller list in 1980 or the day in 1976 when he shook hands in Stockholm with the King of Sweden—that best explain his impact.
Milton Friedman changed the world. The University of Chicago professor touted floating exchange rates, an end to wage-and-price controls, legalization of private gold ownership, dramatic tax reductions, and an end to conscription. And all of these things came to pass. Friedman the monetarist warned in the 1960s of “inflationary recessions” and rejected a tradeoff between inflation and unemployment presumed by the Phillips Curve. Fellow economists laughed at him before the 1970s laughed at them. Fledgling market economies from Europe to South America to Asia relied on Friedman as a guide.
How did this small man make such big changes? The answer lies as much in his story as it does in his solutions.
Friedman’s economics worked because he had worked. Friedman explained to fellow economists in the 1950s that “theory is to be judged by its predictive power for the class of phenomena which it is intended to ‘explain.’” He rejected ideas that worked in smart men’s heads but failed in working men’s lives. Former Obama cabinet member Austan Goolsbee (Skull & Bones ’91) can afford his bad ideas; his most famous forebear on the University of Chicago faculty couldn’t. The future Nobel Prize winner scooped ice cream in his parents’ in-home parlor, sold fireworks by the roadside, waited tables in exchange for lunch, and peddled clothing and books to his fellow Rutgers undergraduates. Friedman came from the real world. So did his economics.
Friedman sought to persuade adversaries, not demonize them. Friedman shifted from New Dealer to libertarian. If he could be won over, then others could, too. He converted without condemning, and he debated adversarieswith unfailing patience and graciousness. When conversing with progressives, the modern-liberal-turned-classical-liberal found it easier to offer counterproposals (e.g., a negative income tax to replace welfare) than to use a word—“no”—that progressives don’t appreciate. “If someone wants to achieve something, it’s easier to say ‘here is a better way of achieving your objectives’ than to say ‘you’re wrong,’” Friedman’s son David, also an economist, told me. “He made arguments that people found hard to answer. He made them politely, and without implying that the people who disagreed with him were stupid or wicked.”
A product of the concrete jungle didn’t retreat into an idealist’s fantasyland. Friedman was an odd creature: a pragmatic libertarian. Instead of arguing for the privatization of schools, a position that might have made him feel good but would have done no public good, he advocated vouchers, so that parents could choose among competing public and private institutions. Some communities adopted the policy. His arguments appealed to his opponents’ sympathies, which left friends and foes exasperated. Consider some quotes from his fascinating, lengthy 1973 Playboy interview: “Under free enterprise, a person who has a prejudice has to pay for that prejudice”; “the minimum-wage rate is the most anti-Negro law on the books”; “you tax the people of Watts to send children from Beverly Hills to college.” In life and work, the ever-practical Friedman approached the world as it was. He earned a state scholarship to a state college, worked for the federal government during Franklin Roosevelt’s presidency, and propagated his ten-part 1980 documentary series, Free to Choose, via public television.
“If my fellow citizens are going to be so foolish as to establish these [programs], there is no reason I shouldn’t benefit from them,” he explained to the Associated Press on the eve of Free to Choose’s PBS premiere. “I was long an enemy of rent control, but that did not prevent me from living in a rent-controlled apartment.”
The son of immigrants appropriately judged ideas on merit, not connections. At a time when pundits often echo party talking points, Friedman’s principled public intellectualism was bracing. He opposed the Iraq war, the drug war, and the draft. He didn’t mute his criticisms of Richard Nixon, Ronald Reagan, or even Fed chairman Arthur Burns—his former professor—when they ran afoul of his principles. Friedman embodied the Aristotelian wisdom: “Where both are dear, it is right to prefer truth to friends.” Good ethics proved a good career move. When honesty talks, people listen.
Friedman spoke the everyman’s language so well because it was his native tongue. Economists do numbers; words, not so much. Friedman spoke with the authority, but not the pedanticism, of an academic. “Professors sometimes have the habit of writing only for other professors, but your book is written in a way that the man on the street will understand and get your message,” Senator Barry Goldwater observed on the eve of Capitalism and Freedom’s 1962 publication. Every three weeks, from 1966 to 1984, Friedman descended from the ivory tower, and readers ascended from the style section, to tackle complex matters accessibly in his Newsweek column. So relaxed with his ideas was Friedman that he spoke to viewers of Free to Choosewithout a script. TV, glossy magazines, pamphlets—Friedman took his ideas to the people. The banker’s suit and geeky glasses may have deluded some into thinking that he was raised in an economics department; he grew up in Rahway, New Jersey. Coming from the masses made him better equipped to speak to them.
Ironically, Friedman regarded biography as nothing; ideas, everything. Behind the scenes, Friedman confessed to the Free to Choose producers that he was “unhappy with any [narrative] string that is not primarily intellectual.” The proposed reliance on the star’s compelling life story made him uneasy in the extreme. The documentary had to be about his ideas, not him.
That was part of his decency. But in reflecting on the economist’s influence on the 100th anniversary of his birth, biography matters. A good man is the best salesman of great ideas. Knowing how Milton Friedman remade the world requires knowing Milton Friedman.

Ensino Medio no Brasil: a situacao mais dramatica

O verdadeiro estrangulamento da educação brasileira -- não considerando o fato de que os alunos saem do fundamental sem serem alfabetizados -- encontra-se no ensino médio, que simplesmente não prepara os alunos para nada, nem para uma profissão, nem para a universidade.
E a situação piorou muito com os companheiros, que ficaram inventando bobagens ideológicas nos últimos dez anos. Esperemos que comece a melhorar, mas eu não conto com isso, não pelo menos enquanto as saúvas freireanas e os companheiros ideológicos continuarem dominando aquele dinossauro que é o MEC.
Paulo Roberto de Almeida 



Comissão especial vai propor um novo modelo para o ensino médio no País
Agência Câmara, 31/07/2012

Para deputado, sistema atual não atende às demandas da economia nem às expectativas dos jovens.
A cada 100 alunos que entram no ensino fundamental, apenas 44 continuam nos bancos escolares até o ensino médio. Desses 44, metade abandona as salas de aula e somente 12 chegam à universidade, conforme dados coletados no ano passado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Um dos principais motivos para esses índices, segundo o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), é a inadequação do ensino médio à realidade dos jovens. Uma comissão especial da Câmara pretende ajudar a resolver o problema.

Instalada no dia 23 de maio, a Comissão Especial da Reformulação do Ensino Médio reúne até o momento 24 deputados de 13 partidos para encontrar um modelo melhor para a última fase da educação básica no País. "O problema é que o modelo atual é uma etapa meramente intermediária para que aluno possa chegar à universidade. Por isso, não responde às demandas da economia brasileira nem às expectativas de nossos jovens", argumenta Lopes, que preside o grupo.

O relator, deputado Wilson Filho (PMDB-PB), explica que o colegiado deve realizar, a partir de agosto, reuniões com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, com técnicos da pasta, secretários de educação, gestores de centros de ensino, pesquisadores nacionais e estrangeiros, além de representantes de entidades que atuam na área. Um relatório preliminar, a ser elaborado até novembro, deverá nortear discussões a respeito do tema em diversos estados. A ideia é que o grupo chegue a uma proposta de alteração da legislação atual sobre o ensino médio até o final do próximo ano.

Conteúdos obrigatórios - Amanda Feitoza é aluna de uma grande escola em Brasília, o Setor Leste. A menina, que pretende estudar medicina, reclama das aulas de física: "Não vou usar essa disciplina para nada, tenho certeza de que isso não fará parte do meu futuro profissional". Para Roger Vila Nova, colega de Amanda, o problema está nas aulas de química: "Além de não entender todo o conteúdo, sei que nunca irei usá-lo".

As queixas não são isoladas e boa parte dos estudantes não entende o porquê de determinados conteúdos escolares serem obrigatórios. O problema é que nem todos os alunos pretendem frequentar um curso superior e, além disso, muitas matérias são imediatamente esquecidas após a entrada na universidade. "O conflito aumenta a cada dia: a carga horária é intensa e a maior parte do conteúdo vira uma grande decoreba. Consequência disso é o desinteresse cada vez maior pelo ensino médio", avalia o doutor em Educação e professor da Universidade de Brasília (UnB) Remi Castioni.

Uma saída possível é a estruturação das aulas a partir de áreas de conhecimento, como ciências, cultura, tecnologia e esporte. Cada estudante deveria, portanto, escolher a sua área de interesse, que seria priorizada na grade horária, sem deixar de lado os outros conteúdos. A medida já é implementada, com particularidades, em outros países, como a França, e recebe elogios de alguns alunos, como a Amanda: "A partir do momento em que escolhemos o que vamos estudar, damos valor para aquilo".

A opção, no entanto, não é unânime. O professor de história Luiz Guilherme Batista acredita que a segmentação do ensino médio pode diminuir a qualidade do aprendizado e, pior, limitar as escolhas profissionais dos estudantes. "Um adolescente não pode definir com 15 anos o que será para o resto da vida. O atual ensino, apesar de seus defeitos, permite que o aluno tenha a chance de fazer uma opção mais ampla. Se ele não tiver acesso a informações gerais em boas aulas, que chance terá de gostar de filosofia, por exemplo?", questiona.

Ensino profissionalizante - O trabalho da comissão especial que discute o futuro do ensino médio no Brasil passa também pela educação profissionalizante. Exemplo de sucesso entre as políticas do setor, a rede federal de ensino técnico atende hoje a 400 mil alunos, segundo dados do Ministério da Educação (MEC). São oferecidos cursos de agronomia, mecânica, secretariado, entre outros, em conjunto com o currículo básico da etapa.

Reginaldo Lopes (PT-MG) acredita que o número deveria ser maior. "Ainda há 8,4 milhões de alunos fora desse sistema. A meta do Executivo deveria ser de pelo menos 2,5 milhões de alunos atendidos", afirma o presidente do colegiado da Câmara.

A vantagem do ensino profissional ou técnico é que os jovens já saem dos bancos das classes, em sua maioria, empregados. Esse modelo interessa ao indivíduo que precisa logo entrar no mercado de trabalho e, portanto, os índices de abandono são menores do que no ensino médio convencional.

Apesar de elogiado, o ensino técnico tem seus limites. É o que avalia o doutor em Educação e professor da Universidade de Brasília (UnB) Remi Castioni. "A educação profissionalizante é uma possibilidade, mas não deve ser a única. As escolas devem estar preparadas para diversas realidades. Por esse motivo, devem ser desenvolvidas as redes profissional e propedêutica [preparatória para o ensino superior]", argumenta.

Outros temas - O debate sobre o melhor modelo para o ensino médio no Brasil ainda deverá passar por temas como sistema de ensino, formação dos professores, grade curricular, carga horária em sala de aula, infraestrutura das escolas e até verbas necessárias para o setor.
Segundo o relator da comissão especial, deputado Wilson Filho (PMDB-PB), a discussão promete ser longa. "Analisaremos os melhores exemplos do Brasil, de outros países e os maus exemplos também. A ideia é garantir que os alunos saiam do ensino médio sabendo o que fazer com o conteúdo aprendido, seja no mercado de trabalho ou na universidade", diz.

Hugo Chavez no Mercosul: um novo produto no comercio regional?

Perdão: deveria ser a Venezuela no Mercosul, mas é que uma coisa se confunde tanto com a outra que acabamos confundindo todos. Mais confusos ficamos, ainda, com as notícias sobre o trânsito de drogas pela Venezuela, majoritariamente voltada para o norte, mas eventualmente podendo dirigir-se também ao Brasil, como já acontece com o produto boliviano, talvez tão importante quanto na balança bilateral e na composição do comércio livre do Mercosul.
Se considerarmos que a Venezuela é muito maior e tem mais dinheiro do que a Bolívia, a situação pode ficar realmente crítica.
Em todo caso, bem-vindo ao Mercosul...
Quem? Ou o quê?
Não importa, vocês saberão distinguir uma coisa da outra e não ficar tão confusos quanto eu...
Paulo Roberto de Almeida


O que Chávez esconde

Editorial, O Estado de S.Paulo, 31 de julho de 2012 
O presidente venezuelano, Hugo Chávez, chegou ontem ao Brasil para a cerimônia, hoje em Brasília, na qual seu país será calorosamente recebido como sócio pleno do Mercosul. O esforço do Brasil para incluir a Venezuela - numa manobra à revelia do Paraguai, que, como se sabe, foi colocado de castigo por ter afastado seu presidente conforme manda a Constituição - vai premiar um governo que, além de autocrático, tem uma sinistra relação com o negócio das drogas, como mostra reportagem do New York Times (27/7).
Chávez tem se jactado de ser um campeão na luta contra o narcotráfico. Ele diz que seus soldados destruíram pistas para transporte de drogas, que laboratórios clandestinos foram desmontados e que muita pasta de coca foi apreendida. Além disso, a seu pedido, foi aprovada uma lei que, em tese, facilita a interceptação de aviões dos narcotraficantes. O New York Times, porém, revela que o narcotráfico não só vai muito bem na Venezuela, como o país cedeu um pedaço de território para que as Farc, a narcoguerrilha colombiana, atuem sem serem incomodadas.
A Venezuela responde por nada menos que 24% do trânsito da cocaína sul-americana destinada aos EUA, segundo um relatório americano. Na região onde as Farc intermedeiam a passagem da droga que vem da Colômbia, o New York Times constatou que as pistas destruídas na alardeada ação do Exército foram todas recuperadas pelos narcoguerrilheiros, porque os soldados não tomaram nenhuma medida para evitar sua rápida reconstrução. Ou seja: a ação contra o tráfico serviu apenas para a foto que interessava a Chávez.
Mais da metade da cocaína que transita pela Venezuela passa pelo Estado de Apure, na fronteira com a Colômbia, desde que Chávez interrompeu oficialmente sua colaboração com o governo americano no combate às drogas, em 2005. Em boa parte dessa região, o controle das Farc é absoluto. Moradores contam que os narcoguerrilheiros praticam extorsão e ocupam propriedades. E os venezuelanos dizem ter medo de denunciar a atividade criminosa às autoridades porque sabem que há conluio entre elas e as Farc.
Esse receio tem fundamento, segundo a Casa Branca. Para Washington, a "permissividade corrupta" do governo venezuelano dá total liberdade de ação para o narcotráfico. Mas a promiscuidade é ainda mais profunda, porque altos funcionários chavistas estão envolvidos até o pescoço com as Farc.
Dois ex-magistrados venezuelanos, Eladio Ramón Aponte Aponte e Luis Velásquez Alvaray, vêm contando detalhes sobre essa relação. Aponte, que foi presidente da Suprema Corte e um dos homens fortes do regime chavista, acusou quase toda a cúpula do poder venezuelano, abaixo de Chávez, de fazer parte de uma grande rede sul-americana de narcotráfico.
Velásquez Alvaray, por sua vez, afirmou que a Venezuela recebe da China armas e equipamentos militares como forma de pagamento por petróleo e que uma parte desse arsenal vai para as Farc. A operação, segundo ele, é comandada por Hugo Carvajal - atual vice-ministro do Interior, recém-nomeado por Chávez justamente para o combate às drogas. O Departamento do Tesouro americano afirma que Carvajal é importante colaborador da operação de narcotráfico das Farc. Além dele, o ministro da Defesa venezuelano, Henry Rangel Silva, também é acusado por Washington de ajudar a guerrilha colombiana a traficar cocaína. Com gente desse naipe em funções tão estratégicas, não admira que as Farc controlem tranquilamente uma parte do território venezuelano e tenham total liberdade para fazer dali sua plataforma de negócios ilícitos.
Mas o chavismo não se envergonha disso. Ao contrário: um dos líderes das Farc, Iván Ríos, disse que o narcotráfico, principal fonte de financiamento da guerrilha, era uma forma de "resistência à opressão", uma maneira de confrontar o capitalismo do "império". É desse gangsterismo dialético que se alimenta o projeto "bolivariano".
A realidade é que o Mercosul, cujas normas demandam democracia e transparência, está se abrindo a um país cujo governo tem dado reiteradas mostras de que tem muito a esconder.

Venezuela no Mercosul (2): bloco desestruturado (Reuters)


Analysis: Venezuela joins trade bloc big on politics, protectionism

By Guido NejamkisArgentina's President Cristina Fernandez de Kirchner (front L) applauds after giving Venezuela's Foreign Minister Nicolas Maduro a portrait of President Hugo Chavez painted by Argentine artist Norberto Filippo as a souvenir during the annual summit of the Mercosur trade bloc in Mendoza, June 29, 2012. REUTERS/Enrique Marcarian
BUENOS AIRES | Mon Jul 30, 2012 3:06pm EDT
(Reuters) - The South American trade group Mercosur welcomes Venezuela as its newest member this week but growing protectionism in the bloc's leading economies and political posturing have reduced it to a shadow of its former self.
When regional heavyweights Argentina and Brazil teamed up with Paraguay and Uruguay to form the customs union in 1995, they hoped to boost regional trade and investment by forging a bigger market along the lines of the European Union.
Trade within Mercosur has since quadrupled to $51 billion in 2011 but with economic growth slowing and Argentina and Brazil locked in a series of trade disputes over everything from cars to olives, analysts expect it to fall this year.
"Argentina is seen as hostile to foreign capital, Paraguay is fragile and unstable, Uruguay has an open economy but it's very small, and Brazil continues to draw investment. Mercosur, as a whole, does not," said Jose Botafogo Goncalves, a former Brazilian diplomat and representative to the bloc.
The decision last month to allow Venezuela's entry into Mercosur stirred further controversy within the group and fueled criticism that it has become little more than a political club for left-leaning leaders who harbor ambitions of Latin American unity.
Venezuela's socialist President Hugo Chavez shares such ideals but his country's membership, pending since 2006, had been blocked because it did not have the support of Paraguay's Congress, dominated by rightist parties.
When the same Congress ousted leftist President Fernando Lugo in a lightning-quick impeachment trial in June, the other Mercosur countries suspended Paraguay from the trade bloc and took advantage of its absence to let Venezuela in.
Mercosur will formally welcome Venezuela into the fold at a presidential summit in Brasilia on Tuesday.
GRUMBLING AND REPRISALS
When Mercosur got its start, the only products that were exempted from free trade were automobiles and sugar.
All other goods were supposed to be traded freely within the bloc or gradually stripped of duties, a goal that was largely met until Argentina expanded the use of non-automatic import licenses in 2011 and imposed a new system to pre-approve nearly all purchases abroad in February.
Last month, Brazil and Argentina got Mercosur's approval to raise import tariffs on up to 200 products of their own choosing, further diluting the objective of a common tariff, on the grounds that each nation must protect its industry as economies get hit by fallout from Europe's debt crisis.
Trying to safeguard its cherished trade surplus, Argentina has used the non-automatic licenses and new approvals system to block imports, affecting goods such as farm machinery and textiles from Brazil and shoes and food products from Uruguay.
It is a clear violation of Mercosur norms, but the response from within Mercosur has been muted grumbling and a raft of reprisals by Brazil's government, which like Argentina is under pressure to revive flagging local industry.
Brazil has sporadically restricted the entry of some Argentine goods, including fruit, olive oil and cookies.
The decision by Argentina and Brazil to virtually abandon the common external tariff - the backbone of Mercosur - allows individual members to raise tariffs as high as 35 percent, compared with current levels of about 10 percent to 12 percent.
"Argentina has a protectionist model, taking tariffs to 35 percent. It doesn't allow imports and it's methodology differs greatly from the original spirit of Mercosur," said Sergio Abreu, a former government minister in Uruguay.
WREAKING HAVOC
For international companies using regional bases to supply the Mercosur market, the protectionist hurdles among member states are wreaking havoc.
"In the new Mercosur, foreign investment is discouraged," Abreu said.
Canada-based McCain Foods, the world's largest producer of French fries, laid off hundreds of workers at its Buenos Aires plant last month because Brazilian trade barriers were preventing it from supplying Burger King and McDonald's branches across the border.
"They had to supply the Brazilian market from Canada and Europe and rent warehouse space to store some of the production that they couldn't sell," a spokesman in Buenos Aires said.
The squabbles between Mercosur's two heavyweights have also proved a headache for the bloc's smaller members.
All three of Uruguay's car assembly plants - run by Chery Socma, Nordex SA and Effa Motors - have threatened to close and have laid off hundreds of employees since October, when import restrictions in Argentina and Brazil began taking a toll on their shipments.
McCain set up shop in Argentina in 1995 with an eye on the lucrative market in Brazil, Latin America's biggest economy with a population of about 200 million.
Access to Brazil's market once allowed Argentina to attract investment that would not have landed there otherwise, particularly in the food-processing and automotive sectors.
"But the way things are now, Argentina will probably have more trouble getting investments that were aimed at tapping a bigger market," said Mauricio Claveri, a trade expert at Abeceb consulting group in Buenos Aires.
Last year, Brazil received $66.66 billion in foreign direct investment compared with Argentina's $7.24 billion. In the 1990s, when Mercosur was created, Argentina received one dollar for every four dollars that entered Brazil, U.N. data shows.
"Argentina would never have been able to become a top 20 automobile manufacturer if it hadn't belonged to Mercosur," said Marcelo Elizondo, an international trade specialist at Argentine consulting firm DNI Negocios Internacionales.
For the first time since Mercosur's creation, the new protectionist measures are hitting trade flows. Trade between Brazil and Argentina slumped 12 percent in the first half of the year and shrank 32 percent in June alone.
And while Venezuela's Chavez hails his country's membership in the bloc after a six-year wait, producers in the Caribbean nation are skeptical about the potential benefits.
The target dates for reducing tariffs that were set in 2006, when Venezuela's incorporation was first agreed in principle, must be overhauled and details governing its membership will take a long time to hash out.
Trade between the Caribbean country and the bloc totaled $8.76 billion in 2011, with Mercosur tallying a roughly $5 billion trade surplus.
"From the point of view of manufacturing or agriculture ... we can't compete," said Manuel Heredia, president of Venezuela's National Federation of Ranchers, or Fedenaga.
(Additional reporting by Alejandro Lifschitz in Buenos Aires, Eyanir Chinea in Caracas and Hugo Bachega in Brasilia; Writing by Helen Popper and Hilary Burke; Editing by Kieran Murray; Desking by Vicki Allen)

Venezuela no Mercosul: otimistas, pessimistas, e os outros...

O problema não está em ser pessimista ou otimista em relação à Venezuela: esse é um problema de seus dirigentes e de seu povo. Do ponto de vista do Mercosul, resta saber se o país vai cumprir seus requisitos formais.


Venezuela en el Mercosur: optimistas, pesimistas y todos los demás

Mercosur
Hugo Chávez concreta una de sus metas: el acceso de Venezuela al Mercosur.
Lo último que se esperaban los parlamentarios paraguayos cuando depusieron a Fernando Lugo era que servirían en bandeja el acceso de Venezuela al Mercosur, pero así fue, casi a trompicones.
El presidente Hugo Chávez certifica este martes en Brasilia la entrada de Venezuela al bloque mientras en su país está abierto un intenso debate entre optimistas y pesimistas.
Chávez, a la cabeza de los optimistas, habla de "una bendición" que va a generar cientos de miles de empleos y que puede atraer la instalación en su país de grandes empresas brasileñas y argentinas atraídas por la energía y la materia prima barata con puertas al Caribe.
Los más pesimistas, economistas e internacionalistas –muchos de oposición– lo dudan porque recuerdan que Venezuela es una economía monoexportadora de petróleo (que representa hasta el 95% de lo que vende al exterior) y muy dependiente de las importaciones (hasta el 70% de los alimentos que consume viene de fuera). Aseguran que el ganador evidente es Brasil.
Más allá de ese debate, están las dudas en torno a cómo van a encajar en el Mercosur los acuerdos económicos de Caracas con China, dónde queda la Alianza Boliviariana de las Américas (ALBA) o las intenciones del presidente Chávez de salirse del Sistema Interamericano de Derechos Humanos.
En cualquier caso, por delante quedan largas negociaciones pues el protocolo de adhesión, firmado en 2006, contempla que Caracas tendrá cuatro años para adaptarse a los muchos cambios que derivarán de incorporarse al bloque sudamericano.
Quienes reciben con satisfacción la entrada de Venezuela al bloque destacan que la superpotencia petrolera, en tanto una economía de tamaño medio, aportará energía y equilibrios a lo que hasta ahora eran dos grandes (Argentina y Brasil) ante dos pequeños (Paraguay y Uruguay). "Su incursión en el bloque regional rompe ese círculo vicioso", afirmó el brasileño Emir Sader.
Según el analista e internacionalista Nícmer Evans, "Venezuela entra en un momento perfecto para ser además, dentro de la polaridad entre las dos grandes potencias, ser un punto medio perfecto, una bisagra que va a permitir estabilizar aún más, generar más equilibrio".
"Mercosur nace con esencia neoliberal, no lo podemos negar, pero ha evolucionado como consecuencia de las disparidades, los mecanismos de integración han tenido que irse afinando para evolucionar de una estructura de competencia y libre mercado a una solidaridad y complementariedad que toma en cuenta las asimetrías, si no fuese así, ya Uruguay y Paraguay estarían quebrados y no tendrían beneficios de mantenerse", le dijo Evans a BBC Mundo.
Evans no niega la debilidad del sector exportador no petrolero de Venezuela, pero se muestra optimista ante el hecho de que "se abre un mercado de 400 millones de personas". "Y de principio podemos potenciar energéticamente al granero del mundo en función de las búsquedas de los equilibrios".
"El Estado está empezando a asumir la inversión para la expansión de la capacidad productiva y tener capacidad de exportación. Eso no va a pasar de un día para otro, tendrá que pasar un mediano tiempo, pero se abre la posibilidad", comentó.
"Los que critican el ingreso al Mercosur son los que aplaudirían el ingreso al ALCA. ¿Qué es más perjudicial entrar a competir con EE.UU. o tratar de generar un mercado de equilibrios y compensaciones con Argentina, Brasil, Uruguay y Paraguay? Sin duda alguna, nuestros vecinos y hermanos son la alternativa lógica".

Mensalao (2): um julgamento historico - Reinaldo Azevedo

De fato, o mensalão existe, e não apenas sob a forma daquele processo espúrio de compra de votos, denunciado em 2005. Ele continua todos os dias, com as transferências de dinheiro para a UNE, para os sindicatos, para ONGs de fachada, para supostos movimentos sociais, e sobretudo para esse conjunto de mercenários das comunicações, que mantém uma rede de difamação e ofensas, a favor de certas causas.
Abaixo mais um comentário apropriado. 
Paulo Roberto de Almeida 

Reinaldo Azevedo, 31/07/2012

Qual é o artigo do Código Penal que prevê pena para o “mensalão”? Nenhum! Esse crime não está tipificado, mas corrupção ativa, corrupção passiva, peculato e formação de quadrilha, ah, estes estão, sim! O Globo trouxe ontem uma entrevista com o ex-procurador-geral Antonio Fernando de Souza, e ele faz justamente essa observação. De saída, vamos notar uma coisa: quando o ex-deputado Roberto Jefferson cravou o termo “mensalão”, criava-se ali uma marca, que contribuiu para popularizar o escândalo. Mas também se abriu uma janela devidamente aproveitada por Márcio Thomaz Bastos, então ministro da Justiça e hoje advogado de um dos acusados — o que é, convenham!, do balacobaco! Além disso, é uma espécie de mentor espiritual de muitos defensores. Adiante!
Há espertinhos por aí que tentam negar a existência do mensalão afirmando que não havia o pagamento regular, todo mês… Ora, todo mundo sabe disso! “Mensalão” é aquele que as estatais pagam para a rede suja da Internet, né? Sigamos. Também se sustenta que o imbróglio nunca existiu porque não faria sentido pagar parlamentares da base, que estariam com o governo de qualquer jeito. Huuummm… Estariam, é? O fato é que receberam dinheiro na boca do caixa. O que faziam com o seu voto não tem a menor importância.
Assim, é evidente que o crime, em si, não é o “mensalão”. Não existe um artigo pra ele. As práticas criminosas têm outros nomes. E com que objetivo? Arrecadar dinheiro para pagar a súcia. Atenção para isto: ainda que aqueles patriotas tivessem usado toda a grana para construir creches para as criancinhas pobres ou  abrigos para os velhinhos desamparados, teriam incorrido nas mesmas ilegalidades. A destinação do dinheiro não muda a natureza do que se praticou. Os fins não alteram a natureza do assalto aos cofres públicos. Como disse Antonio Fernando Souza, mesmo que tivessem queimado o dinheiro, o fato criminoso continuaria na origem dos recursos.
Quando Bastos tirou do colete a tese do “caixa dois de campanha”, pretendeu, com ela, admitir um crime eleitoral, mas não os outros. Vamos ver. Se  aquelas práticas eram inaceitáveis ainda que o intento fosse proteger criancinhas e velhinhos, por que haveriam de ser admitidas com o propósito de pagar as dívidas eleitorais dos companheiros e seus aliados? Entenderam o ponto? Negar o caráter mensal dos pagamentos ou a sua relação com votações no Congresso é puro diversionismo, coisa para distrair tolos.
O que importa é saber como o dinheiro do Banco do Brasil, por exemplo, foi usado para constituir o fundo do mensalão, por intermédio das agências de Marcos Valério, segundo constatou a CPMI dos Correios. Transcrevi ontem um trecho do relatório. Trata-se de uma lambança asquerosa. Se o dinheiro ilegal que chegou às mãos das pessoas indicadas por Delúbio Soares foi usado para comprar Chicabom ou para pagar dívidas, isso não tem a mais remota importância.
A propósito: quando estava na corda bamba, Lula admitiu os erros do PT — também era uma tática; fazia de conta que não tinha nada a ver com o rolo — e pediu desculpas. Desculpou-se, afinal de contas, por qual coisa? Por algo que nunca existiu?
Na Folha de hoje, Janio de Freitas volta a defender os mensaleiros. Acusa a imprensa de parcialidade — menos ele próprio e, suponho, aqueles que pensam como ele e que negam não a existência do mensalão (isso é só um nome e não tem importância), mas dos crimes. Mais uma vez, volta a sugerir que estamos diante de um confronto entre progressistas (os réus) e conservadores. De novo, Carlos Lacerda (???) apanhou. Talvez eu tenha notado aquele grão de loucura no texto que Machado de Assis narraria com enorme graça, mas não me estenderei a respeito.
A tese de Janio é menos inocente do que parece. Nada poderia estar mais afinado com José Dirceu, o “chefe de quadrilha” (segundo a PGR). Ao se inventar a patacoada de que estamos, no fundo, diante de um confronto de natureza ideológica, pretende-se forçar os ministros a deixar de lado os crimes e os criminosos em favor de uma escolha política, que só seria justa e legítima se buscasse, então, uma saída à esquerda.
Sabem o mais nojento disso tudo? O mensalão continua. Hoje ele sustenta o subjornalismo a soldo, regiamente pago com dinheiro público para difamar a oposição, a imprensa livre e parte do Judiciário. E para defender criminosos.

Ingresso da Venezuela no Mercosul, a visao a favor - Pagina 12

Pagina 12 já foi um jornal de oposição ao governo dos K. Hoje está totalmente enquadrado no oficialismo reinante na Argentina.
Paulo Roberto de Almeida

El día del gran evento

Los presidentes del bloque, incluido Hugo Chávez, se reunirán en Brasilia en una cumbre extraordinaria para formalizar el ingreso de Venezuela al bloque. Los cancilleres evaluaron los próximos pasos.
 Por Nicolás Lantos, Pagina 12, 31/07/2012
Desde Brasilia
Todos coinciden en que se trata de “un día histórico”. En Brasilia, una ciudad hecha de avenidas eternas y edificios que desafían la lógica, se preparan con helicópteros sobrevolando los rascacielos y policías motorizados recorriendo permanentemente la zona cercana a la explanada de los ministerios. Sin embargo, el paso que se dará hoy excederá con sus consecuencias largamente este distrito construido hace poco más de medio siglo en pleno corazón de este país que es casi un continente en sí mismo. “Va a ocurrir en las próximas horas en la capital de la República Federativa de Brasil un evento verdaderamente histórico”, dijo el presidente venezolano, Hugo Chávez, antes de abordar el avión. No es para menos, por primera vez desde la formación del Mercosur un país se adhiere al bloque como miembro pleno. Y no cualquier país, sino el dueño de las principales reservas mundiales de petróleo, que llega para “fortalecer política y económicamente” este organismo regional, tal como confiaban ayer en todas las delegaciones.
“El proyecto bolivariano sigue fortaleciéndose, el proyecto de integración de nuestras repúblicas, de nuestras economías y sociedades, la construcción en este inmenso territorio de una zona de paz perpetua, de justicia social, de democracia, el gran bloque de América del Sur”, subrayó Chávez en el aeropuerto de Maiquetía. Para el venezolano, a partir de este proceso de integración, el continente encontrará su “propia perspectiva histórica, exacta dimensión geográfica, geopolítica y geoeconómica”. En términos similares se había manifestado la presidenta Cristina Kirchner hacia fines de la semana pasada: Buenos Aires ha sido, desde tiempos en que gobernaba Néstor Kirchner, uno de los principales impulsores del ingreso de Venezuela al Mercosur.
Sin embargo, hoy será sólo el comienzo del proceso de adaptación hasta que el país caribeño pueda estar plenamente integrado. Eso discutieron ayer los cancilleres de Brasil, Antonio Patriota; de Uruguay, Luis Almagro; de Venezuela, Nicolás Maduro, y el argentino Héctor Timerman, quienes se reunieron en un encuentro “informal” para comenzar a evaluar los siguientes pasos. A partir de su incorporación plena, queda por delante el desafío de adaptarse a las normativas económicas del bloque, principalmente su Arancel Externo Común. Sin embargo, confiaban fuentes del Palacio San Martín, “las ventajas superan ampliamente las dificultades”, por lo que a mediano plazo “el bloque va a salir muy fortalecido”.
Otro tema que se trató ayer entre los cancilleres fue la designación de un nuevo alto representante del Mercosur, cargo que ocupaba hasta la última cumbre en Mendoza el brasileño Samuel Pinheiro Guimaraes, quien renunció por motivos nunca esclarecidos en plena reunión. Su reemplazante será un compatriota, Ivan Ramalho, que viene de ser viceministro de Industria, Desarrollo y Comercio Exterior, un cargo por el cual se encuentra familiarizado con la mecánica del bloque. Su mandato tendrá validez hasta el año que viene.
La situación de Paraguay, suspendido desde el golpe de Estado institucional que sufrió Fernando Lugo, también estará presente en la agenda de la reunión. Ayer, el presidente de facto, Federico Franco, aseguró que el ingreso venezolano en estas circunstancias se debe a una maniobra para darle “empuje electoral” a Chávez, quien se encuentra en campaña para las elecciones de octubre. El Senado de Paraguay fue la instancia que durante años mantuvo bloqueado el ingreso de Venezuela al bloque y sólo la suspensión que recibió Asunción tras el golpe permitió destrabar esta posibilidad.
Según acordaron los socios del Mercosur, Paraguay no será restituido en el bloque hasta tanto no se lleven a cabo elecciones libres, y difícilmente ese criterio se modifique. De todas formas, ayer Chávez tendió una mano al desear que regrese prontamente, “cuando retorne la democracia a la hermana república”. Desde Paraguay sólo regresaron dardos: el ministro de Información del régimen ironizó sosteniendo que Brasil y Argentina “cambian un socio pobre por un socio rico” y denunció que “el Mercosur está herido institucionalmente”.

Cinco perguntas "cretinas" - J. R. Guzzo


Cinco perguntas

J. R. Guzzo
Revista Veja, 30 de julho de 2012 
guzzo_sitecursoabril
Estas cinco indagações, e tantas outras, deveriam ser enviadas ao Ministério de Perguntas Cretinas, pois é exatamente assim que todas elas são vistas pelo governo
Pede-se às altas autoridades brasileiras, respeitosamente, a cortesia de responder às perguntas feitas nas linhas abaixo, por serem de possível interesse do público. O que a Receita Federal faz em relação a esses pacotes de dinheiro vivo que políticos e funcionários do governo vivem enfiando nos bolsos e bolsas? A Polícia Federal e o Ministério Público, a esta altura, já poderiam ter montado uma cinemateca inteira com os vídeos que registram essas cenas. Nunca acontece nada de sério com os indivíduos flagrados metendo a mão na massa, é claro. Mas como fica a sua situação perante o Fisco? Ninguém pode negar que recebeu, pois há prova filmada de que todos receberam. O que colocam, então, em suas declarações de renda? Se não declaram nem indicam a fonte pagadora, estão praticando sonegação. Se declaram e pagam o imposto devido, a Receita poderia ser acusada de estar cometendo crime de receptação, por receber parte de bens roubados. Como é que fica?
Alguém no Itamarary poderia informar por que o Brasil tem embaixadas no Azerbaijão, Mali, Timor-Leste, Guiné Equatorial, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, Botsuana, Nepal, Barbados e outros lugares assim? Seria possível citar algum caso em que alguma dessas embaixadas fez alguma coisa de útil para os contribuintes brasileiros? Daria para descrever, digamos, uma jornada de trabalho do embaixador brasileiro no Mali? A que horas ele chega ao serviço – e, a partir daí, fica fazendo o quê, até voltar para casa? Seria bom, também, saber até onde o Itamaraty quer chegar. Pelas últimas contas, parece que existem hoje 193 países no mundo. e o Brasil só tem 126 embaixadas; faltam mais 67, portanto. A dura verdade é que não temos nada, por exemplo, na Micronésia, em Kiribati ou em Tuvalu. Vamos ter?
Por que o Brasil tem embaixadas no Azerbaijão, Mali, Timor-Leste, Guiné Equatorial, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, Botsuana, Nepal, Barbados e outros lugares assim?
Por que, e principalmente por ordem de quem, o dr. Juquinha, ou José Francisco das Neves, ficou oito anos inteiros, de 2003 a 2011, num cargo-chave do programa nacional de ferrovias? Já é chato, para uma Grande Potência, como quer ser o Brasil, ter na sua alta gerência um cidadão que se faz chamar de “dr. Juquinha”. Mas o problema, mesmo, é que o homem saiu dali quase diretamente para o xadrez, acusado de acumular durante sua passagem pelo governo um patrimônio pessoal de 60 milhões de reais; a principal obra sob a sua responsabilidade, a “Ferrovia Norte-Sul”, pagou as empreiteiras um “sobrepreço” de 100 milhões, só no trecho de Goiás. Ninguém, durante esse tempo todo, quis saber como o dr. Juquinha enriquecia, a ferrovia não andava e a obra ficava cada vez mais cara?
Qual o destino da montanha de papel que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, obriga as 60000 farmácias brasileiras a acumular todo santo dia? Basta uma continha rápida para perceber a prodigiosa quantidade de entulho que elas juntam na forma de receitas retidas, fotocopiadas, carimbadas no verso, preenchidas a mão pelo balconista etc. Sabe-se que hoje as farmácias têm de manter “livros de escrituração manual” e que há, para o futuro, a promessa de um sistema “eletrônico”. E no momento? A Anvisa verifica, um a um, cada papel desses? O que faz com eles? Ainda no tema: como é possível, segundo informou há pouco a revista “Exame”, que 1250 pedidos de compra de equipamentos hospitalares de última geração, críticos para salvar vidas, estejam retidos hoje pela agência, que não autoriza sua entrada no Brasil?
Como a empreiteira Delta se tornou a maior construtora de obras do PAC? Suas atividades, como se vem apontando há pelo menos cinco anos, cobrem o Código Penal de uma ponta à outra – está metida em corrupção, fraude, falsificação, desvio de verbas, superfaturamento, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, criação de empresas-laranja e por aí afora. Só no ano passado, apesar de toda essa folha corrida, recebeu quase 900 milhões do governo federal. Será que a presidente Dilma Rousseff, nestes seus dezoito meses no cargo, nunca teve a curiosidade, nem por um instante, de saber quem era a empreiteira número 1 do seu PAC, do qual é a própria mãe? Por que o PT e o governo fazem tanta força para que o dono da empresa, Fernando Cavendish, não seja interrogado no Congresso, como se guardasse o Terceiro Segredo de Fátima?
Estas cinco indagações, e tantas outras, deveriam ser enviadas ao Ministério de Perguntas Cretinas, pois é exatamente assim que todas elas são vistas pelo governo. Mas esse ministério só existiu na imaginação de Millôr Fernandes; está fazendo uma falta danada, entre os quase quarenta do Brasil Grande de hoje.

Mensalao: o significado de um julgamento - Reinaldo Azevedo

Nem sempre concordo com o que escreve esse jornalista, que, para usar uma linguagem usada e abusada, é extremamente polêmico.
Mas, permito-me, abstraindo o fato de seu nome -- que tem atraído avaliações ou totalmente contrárias, ou integralmente a favor -- postar duas matérias de seu blog, que tratam do que é reconhecido, já notoriamente, como o mais importante julgamento político da história do Supremo Tribunal Federal e, possivelmente, do país, de sua história política, de sua trajetória na tentativa (até aqui frustrada) de superar e vencer a corrupção política (que, na verdade, se caracteriza pela existência de várias máfias que se servem da política para seus fins particulares, alguns apenas de enriquecimento pessoal, outros para fins de totalitarismo partidário).
Seguem abaixo sem qualquer comentário adicional de minha parte, no caso totalmente dispensável.
Paulo Roberto de Almeida 


Reinaldo Azevedo, 30 de Julho de 2012


Caras e caros, um daqueles textos longos, mas que vocês, eu sei, enfrentarão com galhardia. Leiam. Se gostarem, passem adiante. Vocês verão como, ao julgar os mensaleiros, cada ministro do STF estará revelando a sua própria moral e o entendimento que tem da ética. Neste texto, relembro a origem do dinheiro que alimentou o mensalão.
*
Começa na quinta-feira o primeiro dia do resto da vida institucional no Brasil. São nove homens, duas mulheres e um destino: o do país! Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes, Cezar Peluso, Ayres Britto, Joaquim Barbosa, Ricardo Lewandowski, Carmen Lúcia, Dias Toffoli, Luiz Fux e Rosa Weber vão decidir se o país renova a sua opção pela democracia ou se marca um encontro com a impunidade, a bandalheira, o roubo e o atraso. “Tudo no Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado”, pregava o fascismo. Seu irmão siamês, o comunismo, optou por outro caminho: “Tudo no partido, nada fora do partido, nada contra o partido”. A civilização democrática repudia as duas tiranias e proclama: “Tudo na lei, nada fora da lei, nada contra a lei”. Aos juízes caberá avaliar a participação de cada um dos 38 réus naquela cadeia de crimes, mas sem jamais perder de vista que o crime existiu. O mensalão foi, antes de mais nada, um atentado contra o regime democrático. Se aqueles que os protagonizaram saírem do tribunal com os ombros leves, então o crime terá vencido a batalha contra os cidadãos porque livres estarão os criminosos. Inclusive para voltar a delinquir. Os 11 do Supremo estarão decidindo, também, quais armas são legítimas na luta política e quais não são.
Se o núcleo criminoso for absolvido, então os absolvedores do Supremo estarão a dizer que é legítimo usar dinheiro público para atender às necessidades de um partido.
Se o núcleo criminoso for absolvido, então os absolvedores do Supremo estarão a dizer que é legítimo comprar partidos, comprar políticos, comprar consciências.
Se o núcleo criminoso for absolvido, então os absolvedores do Supremo estarão a dizer que é legítimo recorrer à trapaça, a ameaças, à chantagem, à calúnia, à injúria e à difamação, sufocando a verdade com a mentira.
Se o núcleo criminoso for absolvido, então os absolvedores do Supremo estarão não apenas naturalizando os crimes do mensalão como os que a eles se seguiram, notadamente a rede suja montada pelo subjornalismo para difamar o próprio tribunal, a Procuradoria-Geral da República, a imprensa e, nem poderia ser diferente, os parlamentares honestos da oposição e até da base governista. Neste fim de semana, as páginas da Carta Capital, do notório Mino Carta, trazem um último espasmo do submundo do crime, que tenta desmerecer a verdade com a mentira, com a infâmia, com a calúnia e com as vozes trevosas.
Refiro-me, obviamente, a um arremedo de reportagem que tentou implicar, mais uma vez, o ministro Gilmar Mendes em crimes que obviamente não cometeu. A falsificação é de tal sorte grosseira que uma lista supostamente feita em março de 1999 já coloca Mendes como advogado-geral da União, cargo para o qual foi indicado só em janeiro do ano seguinte. Até um senador petista, Delcídio Amaral (PT-MS), aparece como um propineiro — disputou um cargo eletivo só em 2002. Por que Delcídio? Porque foi o presidente da CPI dos Correios, e há quadrilheiros que o acusam de ter sido imparcial demais e petista de menos naquela função. Um lixo abominável, mas nada que não esteja à altura de Mino Carta e da rede suja da Internet que reproduz os seus delírios e delíquios éticos. Hora de chamar a senhora Dilma Rousseff à razão.
Dilma. Ou: Cuidado, ministros!
Neste ponto, antes que continue, é hora de chamar Dilma Rousseff à razão. A presidente tem dito que o governo quer se manter distante desse assunto, que é matéria — e é mesmo — que cabe ao Poder Judiciário. Mas que governo independente, neutro e austero é esse que permite que o dinheiro público financie uma rede que hoje existe com o propósito de cumprir a agenda do PT — da sua pior parcela, na verdade — e de difamar aqueles que são considerados adversários? Gostaria muito de saber como a austera Dilma justifica essa óbvia apropriação do que é de todos em benefício de um grupo
Se o núcleo criminoso for absolvido, então os absolvedores do Supremo estarão, em suma, abonando esses métodos e colocando a corda no próprio pescoço. Esses grupos que se orientam nas sombras têm interesses os mais diversos. Mais de uma vez, eles hão de se chocar com o estado de direito, e o STF será chamado a arbitrar. A absolvição corresponderá à naturalização também desse método criminoso de fazer pressão, ao qual todos estarão sujeitos.
Dois golpes
Os mensaleiros tentaram, na verdade, dar dois golpes no país. O primeiro foi no Legislativo. Quando se montou a máquina criminosa — COM DINHEIRO PÚBLICO, JÁ CHEGO LÁ! — para alimentar nas sombras uma parcela do Congresso, ficou evidente que o governismo tentava criar o seu próprio “Congresso”. Seria um Legislativo do B, a soldo, para prestar serviços ao governo, fora de qualquer controle institucional. Com parlamentares que recebem dinheiro ilegal na boca do caixa, um governo pode executar a agenda que bem entender porque o espaço da representação popular foi conspurcado por larápios. Golpistas, dona Marilena Chaui, são os mensaleiros!
Duplamente golpistas! Desde que a denúncia foi aceita pelo Supremo, teve início a campanha sistemática contra o tribunal, em especial contra alguns de seus membros, contra a Procuradoria, contra as instituições. Alguns mensaleiros tentaram se organizar com o propósito de demonstrar que o tribunal não teria condição de julgá-los. Figurões do petismo chegaram a garantir a seus pares que este julgamento jamais aconteceria… A alma golpista tenta, a todo custo, impedir o Judiciário de fazer o seu trabalho.
Tradição garantista e atos de ofício
Não há nada mais perverso e intelectualmente safado do que perverter um bom fundamento a serviço do mal. Recorrendo a uma simbologia religiosa, costumo notar que essa é a prática corriqueira do demônio. Ele nunca se insinua mostrando a sua cara hedionda. É o que acontece agora com a chamada “tradição garantista” do nosso Supremo. Ela é ruim? Não! Está corretíssima nos seus fundamentos. Não havendo provas contra os réus, eles têm de ser absolvidos. Mas isso não diz tudo. Ou melhor: isso não diz quase nada porque o que se chama “garantismo” é, então, só o óbvio, o corriqueiro, o civilizado.
A questão é o que se vai entender por “prova”. A prova é um “ato de ofício”? Haverá algum ministro do Supremo que vai exigir, sei lá, um memorando de José Dirceu, em três vias, mandando fazer isso ou aquilo “fora da lei e contra a lei”? Obrigo-me a lembrar que a principal característica de um “profissional” na área é justamente NÃO DEIXAR ATOS DE OFÍCIO. Se só estes puderem valer como prova contra um homem público, então a Justiça brasileira estará dando as mãos ao crime, contra os interesses dos brasileiros.
Paulo Maluf está aí, assombrando a vida pública há quase 50 anos porque não deixa os ditos-cujos. A Justiça brasileira, como ente, deveria se sentir um tanto envergonhada pela lição que acaba de lhe dar a de Jersey. Até o Judiciário de um paraíso fiscal achou que havia “brasileirismo” demais naquelas contas que Maluf diz não serem dele, mas cujo andamento seus advogados acompanham com lupa. Vai ver se trata de mero interesse acadêmico. Já volto a este ponto. Antes, temos de nos lembrar do que apurou a CPMI dos Correios.
Roubo de dinheiro público
Na versão que Marcos Valério e PT tentaram emplacar, a origem do dinheiro repassado ao PT e aos mensaleiros seriam os empréstimos feitos pelas empresas do publicitário. Huuummm… Tenho cá comigo o relatório da CPMI. Entre 2000 e 2005, as “Organizações Valério” movimentaram a estratosférica quantia de R$ 1.147.635.715 — sim, leitor, lê-se assim: “Um bilhão, cento e quarenta e sete milhões…”. Parte significativa desse dinheiro teve origem em contrato com estatais.
Reproduzo, em vermelho, um trecho do relatório só para que vocês vejam como o dinheiro público era drenado para as empresas de Valério e dali para o PT e os mensaleiros. Acompanhem a engenharia da coisa com atenção. Se parecer enrolado, eu destrincho.
1.2 – O Banco do Brasil e empresas associadas
As ligações das agências do Senhor Marcos Valério com as empresas do governo podem ser a fonte dos recursos que foram destinados às pessoas indicadas pelo Sr. Delúbio.
Pode-se tomar como exemplo o contrato de publicidade e propaganda celebrado entre o Banco do Brasil e a empresa DNA, que foi objeto de auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União em que se constataram irregularidades na sua execução.
Os Bônus de Volume, diferente de bonificação, deveriam ter sido transferidos ao Banco do Brasil, de acordo com o contrato, mas não o foram. O Banco, por seu turno, não tomou as medidas para receber esses valores, em descumprimento aos arts. 66 e 67 da Lei n° 8.666/93 e às cláusulas contratuais. Segundo o TCU, o prejuízo pode ter chegado a RS 37.000.000,00.
A Companhia Brasileira de Meios de Pagamento – Visanet – e a Servinet também podem ter sido utilizadas pelo Banco do Brasil para repassar recursos ilegais à DNA. Essas empresas repassaram, à DNA, R$ 91.149.916,18 no período de 2001 a 2005 e, segundo o Senhor Antônio Luiz Rios (sócio das duas empresas), não mantinham contrato com a DNA. Conforme seu depoimento, desde 2001 os pagamentos à DNA pela Visanet são oriundos do Programa “Fundo de Incentivo Visanet”, proposto pelo Banco do Brasil, sendo que os repasses se davam mediante autorização do Banco.
A CPM1 rastreou os dois maiores créditos efetuados pela Visanet à DNA – R$ 23,3 milhões em 20/5/2003 e R$ 35 milhões em 12/3/2004 e verificou que:
a) quanto ao crédito de RS 35 milhões, observa-se que, em 12/3/2004, a Visanet depositou R$ 35 milhões na conta da DNA no Banco do Brasil; no dia útil imediato, a DNA transferiu R$ 35 milhões para outra agência do Banco do Brasil e, no mesmo dia, aplicou R$ 34,8 milhões em fundo de investimento do Banco; pouco depois, em 22/4/2004, a DNA efetuou uma TED de R$ 10 milhões a crédito do Banco BMG, referente à compra de certificados de depósito bancário; quatro dias depois, em 26/4/2004, foi concedido empréstimo de exatos R$ 10 milhões do Banco BMG a Rogério Lanza Tolentino & Associados. Como garantia, apenas o aval de Marcos Valério Fernandes de Souza e Rogério Lanza Tolentino e a aplicação financeira da DNA junto ao BMG acima referida. Apenas após a instalação da CPM1 foi proposta a execução judicial do crédito.
b) no tocante ao crédito de RS 23,3 milhões, verifica-se que, em 19/5/2003, a Visanet depositou R$ 23,3 milhões na conta da DNA no Banco do Brasil; no dia seguinte mesmo, a DNA aplicou R$ 23,2 milhões em fundo de investimento do próprio Banco do Brasil; depois, estranhamente, em 26/5/2003, a SMP&B, também pertencente a Marcos Valério, tomou empréstimo de R$ 19 milhões no Banco Rural. Há fortes indícios de que esses empréstimos, na verdade simulados, serviram de fonte de recursos para distribuição de dinheiro, conforme admitiram os próprios envolvidos, Srs. Delúbio Soares e Marcos Valério.
(…)
Destrinchando
A coisa era simples. Uma empresa de Valério recebia dinheiro de empresa pública e o depositava no banco A ou B. Esse mesmo banco, vejam que coisa!, emprestava valor praticamente correspondente a uma outra empresa do publicitário. O dinheiro “emprestado” ia, então, parar nas mãos do PT e dos mensaleiros, sob a gerência de Delúbio Soares. Sob a coordenação de quem trabalhava Delúbio? Querem nos fazer crer agora que ele era, assim, um guerreiro solitário. Não custa lembrar: José Genoino era o presidente do partido e referendou todos os “empréstimos” que Valério fez à legenda.
NOTA À MARGEM – Vejam que o relatório da CPI deixa claro que a devolução ao Banco do Brasil do dinheiro decorrente dos tais “Bônus por Volume” estava prevista em contrato. Quando dona Ana Arraes, agora ministra do TCU, “perdoa” Valério pela apropriação indébita, está, na prática, jogando o contrato no lixo. Um escândalo dentro de outro!
Volto ao ponto
Esperar que haja atos oficiais, em papel timbrando, autorizando essas manobras ou é coisa de tolos ou de gente movida a má-fé. Não se confunda garantismo com impunidade, assim como não se confunda Carta Capital com jornalismo nem alhos com bugalhos. Cada coisa tem sua própria natureza.
Notem que, neste texto, parto da questão mais geral — punir ou não punir os mensaleiros e o que isso tem a ver com o nosso futuro — e chego a detalhes do crime cometido, segundo o relatório final da CPMI dos Correios. O que vai acima, relatado em vermelho, tem nome: essa, sim, é a verdadeira privatização do estado, misturada ao roubo puro e simples de dinheiro público. Privatização que continua com o dinheiro que entes do estado repassam ao JEG (Jornalismo da Esgotosfera Governista). Atenção! Ainda que tudo isso estivesse relacionado apenas a caixa dois de campanha — campanha em 2005??? —, foi o roubo de dinheiro público que financiou e alimentou a rede criminosa.
A tese inventada pelo “Deus” deles — Márcio Thomaz Bastos (ler posts abaixo) — finge ignorar a origem dos recursos. Aliás, para ser absolutamente preciso, cumpre notar: fosse só dinheiro privado, caberia perguntar o que queriam os financiadores, não é mesmo? Mas não era!
Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes, Cezar Peluso, Ayres Britto, Joaquim Barbosa, Ricardo Lewandowski, Carmen Lúcia, Dias Toffoli, Luiz Fux e Rosa Weber vão dizer se o Brasil deve ou não tolerar essa sem-vergonhice. E, ao dizê-lo, cada um deles estará expondo, queira ou não, a sua própria moral — que é sempre individual — e o seu entendimento da ética.
Ao julgar os mensaleiros, os ministros estarão também se revelando à sociedade. Eles dirão se o Brasil tem futuro ou é só uma boa ideia que ficou no passado, sequestrada por pilantras.
-----------------
giinternet
Faz dois dias, veio a público aquilo que deveria ser uma “bomba” contra Gilmar Mendes: uma suposta lista de gente que teria recebido propina de Marcos Valério. A estrovenga teria sido elaborada em março de 1999 e, pasmem!, assinada por Marcos Valério. Vale dizer: o empresário não só admitiria o crime — no caso, corrupção ativa — como ainda assinaria embaixo. Gilmar aparece ali, em março de 1999, como titular da AGU. Ele só foi indicado para o cargo em janeiro do ano seguinte. Na lista, também está o agora senador Delcídio Amaral (MS), um petista. Mas não um petista qualquer: foi presidente da CPMI dos Correios, que apurou uma boa parte da lambança dos mensaleiros. Em 1999, ele nem havia se candidatado ainda a cargo eletivo. Por que alguém se interessaria em, digamos, comprá-lo? Isso fala sobre a seriedade da lista. A “bomba” falhou. Armada por ineptos.
O artefato explosivo desta segunda envolve Andressa, a mulher de Carlinhos Cachoeira, e o juiz federal Alderico Rocha Santos. A história que veio a público, se verdadeira fosse, atingiria em cheio a imagem da VEJA e do jornalista Policarpo Júnior. Mas se trata, evidentemente, de uma armação estúpida. Quem está por trás e com quais propósitos é algo que terá de ser apurado na instância adequada. Vamos ver. A história já começa toda errada.
Segundo Rocha Santos, Andressa insistiu em falar com ele mesmo sem a presença dos seus (dela) advogados. Tanto ela fez, diz, que ele acabou concordando. Já aí, dados os antecedentes da turma, não é doutor?, está dando um primeiro mau passo. Mas ele se precaveu. Só aceitou receber Andressa na presença de uma assessora sua. Tá. Digamos. No curso do bate-papo, ela alega que tem questões pessoais a tratar, que dizia respeito à sua vida pessoal. Solicitou que a assessora saísse, com o que o doutor Rocha Santos concedeu.
O segundo mau passo — este, então, impensável. Se não me engano, e não me engano, este juiz substitui um outro, que se disse ameaçado pela quadrilha de Cachoeira. Considerando que o doutor Rocha Santos não é consultor sentimental, não é conselheiro matrimonial nem pertence à Vara da Família, o que Andressa teria a lhe dizer ou informar que não devesse ser feito pelos trâmites normais? Àquela altura, tudo ali era anormal. Ele tem fama de rigoroso, e nada sei que o desabone. Nesse caso, o procedimento não foi o melhor, certo?
Segundo a versão do juiz, ela então lhe disse que Cachoeira teria contratado Policarpo, da VEJA, para fazer um dossiê contra ele. Caso seu marido não fosse beneficiado por um habeas corpus, o dossiê seria tornado público. É mesmo, é?
Vamos ver…
Numa história que começou toda errada e continuou no erro, o desfecho não poderia mesmo ser grande coisa. O juiz oferece, como evidência de que Andressa esteve com ele e fez a chantagem, imagens de sua presença no prédio da Justiça Federal e um papel em que ela escreveu três nomes que o implicariam em coisas suspeitas. Encaminhou na quinta-feira um relato do que teria acontecido ao Ministério Público. A mulher de Cachoeira prestou depoimento à PF e terá de pagar fiança de R$ 100 mil; caso contrário, pode ter a prisão preventiva decretada.
O papel dos safados é mesmo tentar manchar a reputação das pessoas honradas. Acompanhamos, desde o início da CPI do Cachoeira, as sem-vergonhices que se tentaram contra VEJA, em particular contra Policarpo. Quem não se lembra das supostas 200 ligações havidas entre o jornalista e o bicheiro? Eram duas… Ainda que fossem 2 mil, elas provariam o quê? Provado está, dada a transcrição das gravações, que lá estava um jornalista em busca de informação.
Digo, pois, com alguma ironia, que os vagabundos cumprem o seu papel ao acusar a revista e seu jornalista de conspirações dessa natureza, mas abusam da estupidez dos que lhes dão crédito ao inferir, então, que ambos são idiotas. Por óbvio, nem um nem outro se dariam a tal desfrute. Mas digamos que sim; digamos que essa fosse a ética vigente por aqui. Só tomados por rematada imbecilidade VEJA e Policarpo correriam esse risco, dado o ambiente intoxicado.
Não, não! Eles sabem que revista e profissional são decentes e não fazem esse tipo de jogo sujo. Sabem também que não estão lidando com idiotas. Mas apostam, sim, tudo na ignorância daqueles que lhes dão crédito. VEJA já deu início aos devidos procedimentos legais. O chiqueiro financiado por dinheiro público, no entanto, faz a festa e se encarrega de tratar a história como se verdade fosse.
Quem e o quê estão por trás disso? Qual é a hipótese?
Começo pelo “quê”. É evidente que se trata de mais um passo na inútil tentativa da canalha de atacar a VEJA. O resultado tem sido contraproducente. Mais eles batem e rosnam, mais a revista e produtos jornalísticos a ela associados se consolidam como referência de milhões de pessoas. Não se conformam.
Não posso dizer com certeza de “quem” é a mão que balança o berço. Posso, no máximo, estabelecer alguns caminhos lógicos. Descarto, por exemplo, que Dona Andressa tenha tido só uma ideia infeliz: “Vou lá, chantageio o juiz, uso o nome da VEJA, ele fica com medo e faz o que eu quero. E vou fazer isso sozinha”. Não, acho que não! Até porque a moça é formada em direito. Pode não ser uma “jurista”, mas idiota não é.
Vamos cuidar aqui de uma hipótese, e tenho o direito de levantar algumas. Tudo tendo ocorrido como relata o juiz, não estaria querendo Andressa provocar justamente o efeito que provocou? Poderia alguém, com pleno conhecimento da parte pantanosa da Justiça e da polícia, ter convencido o senhor Cachoeira de que o preço de uma aliviada na situação é botar VEJA na linha de tiro? Não sei se foi assim; não estou dizendo que tenha sido assim, mas sustento que se trata de algo absolutamente plausível. Afinal, como diz a canalha mensaleira (sim, ela mesma!), “VEJA tem de ir para o banco dos réus”. A revista incomoda os candidatos a tiranetes do Brasil.
Sou lógico
Sou uma pessoa lógica. Tenho claro que nada disso estaria acontecendo sem os dois maus passos dados pelo juiz Rocha Santos. Na presença de seus advogados, certamente Andressa não faria o que fez. Acho que o doutor Márcio Thomaz Bastos, que defende Cachoeira, não endossa esses procedimentos. Ou estou enganado? Também não teria acontecido se a assessora do meritíssimo tivesse testemunhado toda a conversa. Se tudo aconteceu como o relatado,  foi a conveniência de um encontro privado que permitiu o assédio e a divulgação de uma mentira asquerosa.
VEJA vai cobrar na Justiça o agravo. É o que lhe cabe fazer. E vai continuar a noticiar o que tem de ser noticiado. No sábado, houve a tentativa de intimidar um ministro do Supremo; na segunda, um ataque à revista. Comecei a contagem regressiva para que surja uma “bomba” contra o procurador-geral. E assim vai.
O país está sendo assombrado por uma máfia. Denunciá-la, combatê-la e condená-la — viram, senhores ministros do Supremo? — é um dever moral, ético e legal.